Este domingo, dia 17 de abril, foi um dia atípico para os deputados federais brasileiros. No Congresso Nacional foi votada a admissibilidade do processo de impeachment da presidente da república Dilma Rouseff(PT). Com mais de 342 votos a favor do impedimento da Chefe do Poder Executivo, os legisladores aprovaram na Câmara o prosseguimento do processo que irá investigar crime de responsabilidade da presidente petista.

Com discursos fortes, placas escritas com palavras de ordem e muita confusão, os deputados aproveitaram o momento de "fama", até mesmo, para mandar recadinhos para a família, amigos, correligionários e eleitores.

A internet não perdoou e tratou de criar uma porção de memes esculachando os deputados federais do Brasil.

Com a aprovação, o processo segue para o Senado Federal, que pode ou não abrir o processo de Impeachment. Nessa fase, se a maioria dos senadores votar a favor da abertura do processo, Dilma será afastada do cargo, com 20 dias para se defender. O Senado terá até 180 dias para emitir um parecer a respeito do impedimento da presidente da república, é aberta uma nova votação, com necessidade de voto a favor de dois terços dos senadores.

Se isso ocorrer, ela é deposta e perde os direitos políticos por oito anos e quem entra na presidente, conforme a linha sucessória, é o vice Michel Temer (PMDB).

Após Temer, que ainda pode ser impedido de governar, o presidente da Câmara dos Deputados, investigado também pela Operação Lava-Jato, Eduardo Cunha (PMDB) pode assumir a presidência se até á ele não provar inocência. Caso também seja deposto, Renan Calheiros (PMDB), presidente do Senado, pode assumir.

Cuspe, discursos inflamados e ódio

Durante a votação, que parou todo o país, muitos deputados se exaltaram em seus discursos.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lula Política

Jair Bolsonaro (PSC-Rio) evocou o nome de um dos torturadores de Dilma durante a Ditadura Militar, Carlos Alberto Ustra. Na época, a presidente foi torturada, levou um soco e perdeu um dente. O parlamentar saudou o período militar e votou a favor do impeachment.

Já o baiano Jean Wyllys (PSOL-Rio) votou contra o que ele e membros da bancada governistas chamam de "golpe" e disse que quem orquestrou essa votação são "canalhas" e "analfabetos políticos". O deputado cuspiu no rosto de Bolsonaro e assumiu por meio de uma rede social após a publicação de fotos pela imprensa.

Jean disse que foi ofendido com palavras homofóbicas por membros da bancada que está votando contra Dilma.

"Eu reagi cuspindo no fascista. Não vou negar e nem me envergonhar disso", escreveu.

Jean é o único deputado federal assumidamente homossexual da Câmara.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo