Assim quando começou a martelar em seus discursos que seu impeachment era um golpe de estado, a presidente da república Dilma Rousseff passou a chamar muita atenção na comunidade internacional, especialmente por conta do tamanho do Brasil e pelo fato da nação ser uma das maiores democracias do planeta. No entanto, segundo informações do 'Diário do Poder' em reportagem publicada nesta quarta-feira, 27, a ideia do "golpe" tem colado bem menos lá fora. Nem mesmo as embaixadas brasileiras tem divulgado que o Brasil passa por uma instabilidade, mostrando assim uma espécie de "abandono" à presidente. 

No passado, um funcionário do Itamaraty chegou a mandar uma circular interna, solicitando os embaixadores que conversassem com lideranças locais para falar que está tendo um "golpe" no Brasil.

Minutos depois outra circular foi enviada, solicitando que a primeira fosse ignorada. As embaixadas não tem usado, por exemplo, veículos de comunicação no exterior para dar entrevistas sobre o #Impeachment, muito menos para criticar um processo que é previsto em lei. Até o Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, está calado sobre o assunto. Quando se reúne com colegas no exterior não tem se posicionado sobre o assunto, de acordo com informações do jornalista Cláudio Humberto. 

Neste sábado, 23, por exemplo, o representante de Dilma no exterior, Mauro Vieira, apenas discursou na Unasul felicitando a entidade. Ele não usou o precioso espaço para difundir qualquer ideia que pudesse prejudicar o Brasil. No fim de semana, em entrevista a jornalistas em Nova York, nos Estados Unidos, a presidente Dilma usou um precioso espaço para dizer que recorreria à cláusula democrática do Mercosul, podendo até tirar o Brasil do bloco, ou pelo menos dar sanções diretas ao nosso país. 

De acordo com informações do jornal O Globo, no entanto, para que qualquer sanção seja aprovada, todos os países do bloco precisam aprová-la, o que estaria longe de acontecer, especialmente em um momento em que a crise econômica atinge o bloco da América do Sul.  #PT #Dilma Rousseff