Estudantes da Universidade Federal de Minas Gerais foram impedidos de discutir o processo de Impeachment da presidente Dilma Rousseff. Uma reunião para debater o tema seria liderada pelo Centro Acadêmico Afonso Pena, com o intuito de reunir os estudantes de direito da universidade para um debate, mas uma decisão judicial impediu que o ato ocorresse.

A ação foi movida por dois alunos, que acreditam que o CAAP estava sendo usado para apoiar certo posicionamento político que, segundo eles, não condiz com o que “grande parcela da comunidade acadêmica" pensa.

Já os integrantes do Centro Acadêmico contam que a reunião era justamente para debater e ver qual o posicionamento geral dos alunos de graduação do curso de direito da UFMG.

O impedimento foi considerado por eles um ato de "censura", já que impediu o debate sobre o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O CAAP diz ainda que convocaram todos os estudantes para que pudessem se manifestar.

A liminar que impediu a reunião foi concedida pela Moema Miranda Gonçalves. Na justificativa, ela disse que o Centro Acadêmico tem como interesse principal a defesa da educação. Além disso, alegou que o processo de impeachment contra a presidente Dilma é longo e que a discussão proposta não tem motivo para ser tão urgente, como “a Diretoria da Entidade pretender atribuir-lhe". Ela ainda lembra que a pauta não é urgente no que se refere à educação oferecida pela Universidade de Minas Gerais.

Em uma rede social, Maria Clara Barros contou que juntamente com Túlio Vivian Antunes, vai desistir da ação judicial.

Os melhores vídeos do dia

Segundo ela, o principal intuito era impedir um possível início de discussão de greve.

O processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff foi aprovado pela Câmara dos Deputados e encaminhado para o Senado. Uma comissão foi formada e deve analisar o processo. Caso o aprovem, Dilma será afastada da presidência por 180 dias, quando todos os senadores vão analisar todo o processo e votar. Se for aprovado, o vice-presidente assume a cadeira. Caso não seja, Dilma volta para o governo.