Após a aprovação do impeachment e iminente queda do PT, teve apoiador do governo que escolheu se calar, mas teve uns quegeraram polêmica. Zélia Duncané uma dessas pessoas, que usou a sua coluna em 'O Globo' para demonstrar o seu 'conhecimento político' e expressar sua opinião sobre a votação do impeachment, do qual a mesma, já havia se declarado contrahá algum tempo.

Os alvos de sua revolta foram apenas dois parlamentares: Eduardo Cunha e Jair Bolsonaro. Segundo Zélia, Cunha jamais poderia ter presidido a votação,o que, segundo ela,deveria ser ilegal, bem como exaltar ‘assassinos confessos’.

As palavras de Duncan são em referências as acusações de corrupção contra Cunha e a homenagem que Jair, vulgo Mito Bolsonaro, fez ao coronel Brilhante Ustra.

Entendendo direito

Independente do destino de Eduardo Cunha, o ordenamento brasileiro trabalha com a presunção de inocência, logo, ser suspeito ou investigado, não é o bastante para considerar alguém culpado e condená-lo, pois isso feriria diversos princípios como o da ampla defesa, contraditório, legalidade, etc. Logo, ainda que existam acusações, Cunha não foi julgado e condenado e não pode ser tratado como tal, ainda que grande parte das pessoas se revoltem.

De tal forma, não haviam impedimentos políticos decididos legitimamente para que o deputado não se mantivesse na presidência da Câmara, logo, ainda que isso seja repudiável por algumas pessoas, Eduardo Cunha presidiu a votação da Câmara dentro da legalidade, não havendo o que contestar.

Homenagem

Já Jair Bolsonaro é um político que não possui meio termos: ou o amam ou o detestam. O deputado é conhecido por não ficar encima do muro e ter suas próprias opiniões, sem precisar depender da aprovação do partido ou de outros políticos para se pronunciar.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Curiosidades Política

Na ocasião ele, como militar, fez uma homenagem à memória de outro militar, queajudou a evitar que o Brasil se tornasse comunistae veio a óbito no ano passado aos 83 anos. Não ouve apologia à tortura ou a ditadura, como foi dito ao longo da semana, apenas a liberdade de expressão exercida por um cidadão legalmente amparado pela Carta Magna brasileira: ‘Em memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o terror da Dilma Rousseff, meu voto é sim’. Da mesma forma que esquerdistas realizaram suas homenagens aos conhecidos e perigososMarighella e Lamarca.

Já estes, por sua vez, não geraram indignação popular após a votação do impeachment.

A referência a Dilma é por conta da mesma ter aderido à guerra armada durante a ditadura militar, fazendo parte de umgrupo considerado perigosoe sendo presa.

Zélia, desconhecendo esses fatos também exerceu o seu direito à liberdade de expressão, entretanto, acabou pegando pesado nas palavras finais e por isso, gerou revolta em milhares de internautas pelo Brasil.

O que você acha dessa situação? Deixe a sua opinião com um comentário.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo