Após um bombardeio de notícias a respeito do caso de estupro envolvendo uma menor de apenas 16 anos de idade e 33 homens de uma comunidade na Zona Oeste do da cidade do Rio de Janeiro, os internautas que acompanharam o caso durante os dois últimos dias se revoltaram e protestaram das mais diversas formas. Contudo, parece que o caso não ficou isolado nas redes sociais.

Circula na internet imagens de um homem degolado, que supostamente seria um dos estupradores da jovem - que não pode ser identificada a pedido dos policiais da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática.

O morto seria um dos criminosos que fez uma "selfie" ao lado da genitália da vítima, que estava sangrando e sentido dor. Anteriormente, várias pessoas ameaçaram de morte pela internet os estupradores. Ainda não se tem o nome do criminoso.

Porém, a Polícia já informou que foram identificados três homens que participaram da ação. Um é morador da Cidade de Deus e outro do bairro de Santa Cruz.

A moça, que é mãe de um filho de três anos e frequenta a comunidade há alguns anos, segundo a sua avó materna, ficou desacordada por três dias e precisou passar por exame de corpo delito.

Ainda não há confirmações de que as imagens sejam verdadeiras e a polícia deve averiguar o quanto antes, pois está em busca dos culpados que violentaram a moça.

Reações e solidariedade feminina

Hoje (26) ainda, autoridades se manifestaram a respeito do ocorrido e prometeram pedir rigor e oferecer ajuda psicológica e assistencial à vítima. Uma delas foi o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que preside atualmente a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (CDDH-Alerj).

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

"Ela está muito abalada. Vamos acompanhá-la psicologicamente", disse.

Já a Câmara de Vereadores da Cidade do Rio de Janeiro enviou uma nota por meio de sua Comissão de Direitos Humanos, dizendo que a agressão foi um absurdo e uma barbárie e também se solidarizou com a situação da adolescente abusada.

Pelo Facebook, usuários criaram uma campanha pelo fim da "cultura do estupro", que culpabiliza a vítima ao invés do agressor.

A reportagem deste site precisou pixelizar as imagens a fim de não propagar o conteúdo, que é de extrema violência.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo