Os criminosos que participaram do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos estão sendo identificados. A prisão de pelo menos quatro deles já foi pedida pelo delegado Alessandro Thiers. Um deles, Lucas Perdomo Duarte Santos, de 19 anos, é a pessoa com quem a vítima tem um relacionamento há três anos.

Lucas conheceu a vítima na escola, o no Colégio Barão, na Praça Seca, em Jacarepaguá, que fica na zona oeste do Rio de Janeiro. Quem contou que esteve com ele foi a vítima. Em depoimento dado à Polícia, o qual a revista “Veja” teve acesso, a garota contou que foi para a casa do rapaz no sábado (21) e acordou em outra casa, no domingo.

Ela estava nuca e dopada.

A casa para a qual a adolescente foi levada ficava no mesmo local, no Morro do Barão. Quando acordou, viu 33 homens armados no local.O homem que postou uma selfie ao lado da adolescente nua, violentada e sangrando, também foi identificado para a polícia. Ele tem 41 anos e se chama Raphael Assis Duarte Belo. Os dois deverão ser presos pelo crime de estupro.

Os homens que postaram e divulgaram o vídeo e as fotos também têm pedido de prisão solicitado pelo delegado. Os nomes são Juninho Pierre e Michel Brasil.

A adolescente já prestou depoimento à polícia, foi examinada e está tomando medicamentos, para evitar doenças sexualmente transmissíveis.

Homem que praticou o estupro coletivo pode estar morto

Na internet, fotos de um homem morto e decapitado são compartilhadas. Supostamente ele seria um dos estupradores da adolescente. A morte do estuprador não é confirmada até o momento.

A polícia ainda investiga o caso e procura identificar os outros criminosos. Foram pelo menos 33 homens que estavam presentes no local em que a garota acordou nua e dopada.

Familiares da vítima só souberam do estupro coletivo nesta quarta-feira (25), quando o vídeo e as fotos foram espalhados por Juninho Pierre e Michel Brasil.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

Antes disso, a garota se negava a contar o que havia acontecido com ela. A vítima do estupro coletivo chegou em casa com roupas masculinas rasgadas, descalça e descabelada.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo