No meio do turbilhão político, uma entrevista dada à uma emissora estatal, a TV Brasil, quase ficou batida. No dia 03, o ex-esposo da presidente Dilma Rousseff, o advogado Carlos Araújo, natural do Rio Grande do Sul, falou sobre o processo de Impeachment de sua ex-mulher ao programa 'Espaço Público'. Para Carlos, que foi casado com a presidente por 25 anos e com quem teve uma filha, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tivesse falecido, a mãe de sua filha agora não estaria pagando o amargo preço da possível deposição. Assim como a ex-esposa. Carlos Araújo deu conotação de "golpe" ao processo que está seguindo a constituição brasileira e teve seu rito autorizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O advogado apostou ainda na impopularidade de Michel Temer, que não conseguiria barrar a fúria popular após assumir o governo. No próximo dia 11, o Senado decidirá qual será o futuro de Rousseff, podendo decidir pelo seu afastamento, que pode durar até 180 dias e culminar com sua deposição. Ex-preso político, o gaúcho disse que as elites brasileiras foram muito beneficiadas tanto no governo Lula, quanto no primeiro governo de Rousseff. Para ele, os ricos ficaram ainda mais ricos, mas que os trabalhadores também se deram bem. A única coisa que não teria sido tão boa é para a classe média alta, que teria ficado de fora desse crescimento, mas que segundo ele, também não  foi prejudicada, mas que ideologicamente diz que isso sim aconteceu. 

Atualmente, a popularidade de Dilma é menor do que 10%, um índice jamais registrado por nenhum presidente brasileiro.

Os melhores vídeos do dia

Para Carlos Araújo, o impeachment de Dilma tem motivos eleitorais e foca no pleito de 2018. Segundo o ex de Rousseff, caso Lula morresse, o impedimento da mãe de sua filha jamais aconteceria.  “Se Lula morresse hoje, se houvesse essa desgraça, não haveria impeachment”, desabafou o advogado. De acordo com informações da imprensa, o casamento de Dilma e Carlos teria acabado depois que esse a traiu com uma atriz da Globo. A família de Rousseff evita comentar o assunto, de cunho pessoal.