Um homem usou seu perfil no Twitter, na tarde desta quarta-feira (25), para divulgar o vídeo de uma menina sendo estuprada e, enquanto ela está aparentemente desacordada, continua sendo abusada. Pelo vídeo, supõe-se que a garota está dopada e sendo estuprada por dois homens, imagens fortes que logo foram repudiadas pelos usuários da rede social.

Foram milhares de protestos e críticas direcionadas ao usuário que divulgou o vídeo, ao ponto de ter sua conta suspensa da rede social, só que, mesmo depois disso, os protestos continuaram e o caso ganhou repercussão nacional.

Publicidade
Publicidade

A palavra "estupro" logo estava no Trending Topics Brasil do Twitter, o que chamou ainda mais a atenção das pessoas.

Alessandro Thiers, titular da DRCI - Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática - já confirmou que a garota que aparece no vídeo sendo estuprada é menor de idade. Ela mora no Rio de Janeiro e já encontra-se com a família.

O perfil de um dos homens que divulgou o vídeo foi excluído, porém, a Polícia tem como levantar todos os dados para se chegar ao sujeito, inclusive dois dos estupradores já foram identificados.

Polícia já tem informações dos estupradores que postaram vídeo
Polícia já tem informações dos estupradores que postaram vídeo

Entretanto, a polícia não quer divulgar nenhuma identidade agora para não atrapalhar as investigações, pois acredita-se que 30 pessoas participaram deste crime e a intenção é que todos eles sejam identificados e punidos.

Logo no início do vídeo, um dos estupradores afirma: "Essa aqui, mais de 30, engravidou" e, por isso, a polícia trabalha com a hipótese do estupro ter sido cometido por mais de 30 homens.

O órgão genital da garota foi filmado enquanto o estuprador narrava: "Olha como está sangrando, olha onde o trem passou, olha o trem bala passou de marreta".

Publicidade

O usuário do Twitter que divulgou o vídeo reclamou das ameaças que estava recebendo dos demais usuários e disse que poderia até postar mais imagens da garota. Ao todo, foram 4 usuários que compartilharam o vídeo na rede social e, mesmo que não tenham ligação com o ato em si, poderão responder por divulgarem material proibido.

A Safernet, uma organização sem fins lucrativos, está pedindo a todos para não divulgarem estas imagens, porque estarão expondo ainda mais a vítima e também porque é proibido, e tais pessoas poderão responder perante à justiça.

Leia tudo e assista ao vídeo