Depois de reclamações feitas pela então advogada da vítima, o caso de estupro coletivo que aconteceu no Rio de Janeirosaiu das mãos do delegado Alessandro Thiers, da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI). A partir de agora, quem coordena a investigação é a delegada da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV). A informação foi dada pelo Polícia Civil, Fernando Veloso, na tarde deste domingo (29).

Segundo ele, a decisão foi tomada pelo “elevado desgaste” que Alessandro Thiers está tendo e para garantir a imparcialidade na investigação.

Ele também disse que vai avaliar o tratamento dado para a vítima.

A delegada titular da DCAV, Cristiana Onorato, já estava acompanhando as investigações, vai receber os autos ainda neste domingo, para que possa se inteirar das provas. Nesta segunda-feira (29), a delegada vai dizer se há ou não necessidade de alguma medida cautelar como, por exemplo, prisão.

Essa alteração levou em conta também a reclamação da então advogada da vítima, Eloísa Samy, que contou que a menina foi colocada em uma sala com mais três homens, além do delegado, para depoimento e acabou ficando acuada.

Ela também disse que a vítima foi constrangida, após receber perguntas do delegado como quando ele questionou se ela fazia sexo grupal com frequência.

Veloso disse que sabe que o delegado estava tentando buscar o melhor caminho, mas que a delgada Cristina tem tanto conhecimento quanto ele e que tem mais habilidade de lidar com vítimas, pois faz isso diariamente.

A delegada deve participar de uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira e dar mais informações sobre como as investigações vão continuar.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

A adolescente de 16 anos foi abusada sexualmente por mais de 30 homens. O caso se tornou de conhecimento público após imagens da jovem nua, desacordada e sangrando. Vídeos e fotos da menor de idade foram compartilhados nas redes sociais.

O Ministério Público pediu proteção para adolescente. A polícia está investigando o caso e tentando encontrar mais pessoas que possam saber informações sobre o estupro coletivo, que aconteceu no Rio de Janeiro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo