O protesto feito por policiais militares, civis e bombeiros do estado do Rio de Janeiro, que aconteceu nesta segunda-feira (27), em um dos saguões do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), chamou a atenção do mundo.

Os manifestantes empunhavam uma faixa com os seguintes dizeres: “Welcome to hell” - Bem-vindo ao inferno.

A cidade sede das próximas Olimpíadas ganhou as principais manchetes de todo planeta, pois o protesto dos policiais, escancarou para todo o mundo as mazelas enfrentadas pelo Rio de Janeiro nas últimas décadas.

O mundo ficou diante de uma cidade maravilhosa, onde o poder paralelo dita as regras, a violência impera e a impunidade cresce na mesma proporção que a barbárie.

Esta é a sede das Olimpíadas de 2016.

Segundo o jornal Extra, a repercussão na imprensa internacional foi imediata, já que o Rio de Janeiro receberá atletas e turistas de todo o mundo para os Jogos Olímpicos que vão iniciar em agosto.

A cidade maravilhosa está abandonada

Um dos organizadores do protesto que não quis se identificar, informou ao jornal "O Globo", que tal atitude visa mostrar para o resto do mundo, o quanto o Rio de Janeiro é violento e como a segurança pública é tratada com descaso pelos governantes do país.

Já que a principal intenção dos manisfestantes era mostrar a verdadeira faceta da cidade maravilhosa, eles podem se dar por satisfeitos, pois nesta terça-feira (28) as imagens do protesto, ganharam a mídia internacional, que citou a falta de pagamento dos servidores públicos e as condições precárias das Polícias Militar e Civil do Rio de Janeiro.

Os melhores vídeos do dia

Jornais dos Estados Unidos, Rússia, Austrália, Índia, entre outros publicaram imagens do protesto, destacando as inúmeras dificuldades enfrentadas pelos policiais em seu dia a dia. Algumas publicações também mostraram que em um dos viadutos da cidade existe uma pichação, onde está escrito: “Welcome, we don´t have hospitals” - Bem-vindo, nós não temos hospitais.

Socorro

Na segunda-feira (27), policiais civis e delegados fizeram uma paralisação para denunciar a falta de pagamento dos salários, o sucateamento da frota de viaturas, entre outros problemas enfrentados diariamente. De acordo com o sindicado da categoria, para fazer pequenos consertos nas viaturas, os policiais estão fazendo "vaquinha", ou seja, tirando dinheiro do próprio bolso.

Entre as principais queixas estão: falta de pagamento integral, cortes de água, manutenção e limpeza nas delegacias e no IML, falta de manutenção das frotas. 

O sindicato afirmou que o movimento é um grito de socorro, pois a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro está agonizando.