O inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra o deputado federal Jair Bolsonaro, eleito pelo PSC do Rio de Janeiro, continua a provocar polêmica dentro e fora do Congresso Nacional. Bolsonaro agora é investigado após dizer que a deputada Maria do Rosário, do Partido dos Trabalhadores (PT) do Rio Grande do Sul, não merecia ser estuprada. Ele justifica que disse a frase depois de ser chamado de "estuprador" por Maria, que nega ter xingado o homem chamado de "mito" por apoiadores nas redes sociais. 

Nesta quarta-feira, 29, quem decidiu defender Bolsonaro foi Magno Malta, do Partido da República do Espírito Santo.

Segundo ele, a mais alta corte do país passou do ponto ao aceitar uma denúncia contra o pré-candidato à presidência do PSC, na qual ele é acusado de fazer apologia ao crime de estupro. A fala de Magno Malta foi realizada no mesmo dia em que o Supremo tomou outra medida polêmica.

Através de uma decisão monocrática, o Ministro Dias Toffoli, que advogou para o PT durante as campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva à presidência, decidiu soltar o ex-Ministro do Planejamento do #Governo Dilma, Paulo Bernardo. A decisão fez com que a justiça de São Paulo mandasse libertar todos os presos da 'Custo Brasil' alegando o critério de isonomia dos processos.

Magno Malta ainda defendeu que até vereador tem direito de dizer o que pensa por conta da chamada imunidade parlamentar. Ele ainda citou o episódio envolvendo a menção ao Coronel Brilhante Ustra na sessão da votação do impeachment contra Dilma na Câmara dos deputados, que ocorreu no dia 17 de abril.

Os melhores vídeos do dia

Malta aproveitou para criticar o Conselho de Ética da Câmara e lembrou que no mesmo dia torturadores da esquerda, como Carlos Marighella, também foram homenageados. A fala foi realizada por Glauber Braga, do PSOL carioca. “Dois pesos, duas medidas”, desabafou o Senador. 

Veja abaixo a fala feita pelo Senador Magno Malta que fala sobre o poder que parlamentares precisam ter para falar o que bem pensam e como não ter isso pode ser prejudicial: