Uma denúncia muito séria envolve cinco pessoas do Partido Comunista do Maranhão. De acordo com uma reportagem publicada nesta quinta-feira, 07, pelo site 'Diário do Poder', a legenda que elegeu o governador Flávio Dino estaria com funcionários de mentirinha trabalhando no governo do representante do PCdoB. Os funcionários fantasma ganhariam até R$ 7 mil sem nunca terem trabalhado na Assembleia Legislativa do Maranhão. O caso ganhou destaque em um portal local. As nomeações das pessoas que recebiam bem, mesmo sem bater o ponto, foram realizadas pelo presidente da Assembleia, Humberto Coutinho, do PDT. Ele só teria conquistado o posto depois que o próprio governador, do Partido Comunista, realizou forte pressão. 

Os funcionários foram nomeados no mês de fevereiro, mas ao invés de cumprirem uma carga horária de oito horas, simplesmente não aparecem.

O portal dá os nomes dos funcionários e até os salários que eles receberiam. Uma manifestação pedindo mais transparência da casa que faz as leis do estado também foi realizada. 

PCdoB no impeachment de Dilma

Curiosamente, a tendência comunista não é muito favorável a altos ganhos, especialmente quando estes são realizados contra o proletariado. Caso a denúncia do site seja verdade, o povo do Maranhão teve que bancar os salários altos para gente que aparentemente não curte muito laborar. 

O PCdoB é um dos partidos mais importantes para a defesa da presidente afastada Dilma Rousseff. Na Comissão do impeachment, quem realiza as ações para a legenda na tentativa de defender a petista é a Senadora Vanessa Grazziotin, eleita pelo estado do Amazonas. Ela faz parte da tropa de choque que diz que o processo de impedimento é um golpe de estado.

Os melhores vídeos do dia

Vanessa se une nessa dura rotina com Lindbergh Farias, do Rio de Janeiro e Gleisi Hoffmann, do Paraná, ambos do PT. 

Os três são conhecidos por tentarem procrastinar ao máximo o processo de impedimento. Gritos, emoção e pedidos de ordem marcaram os últimos meses do trio no Senado, que agora aguarda a votação contra Dilma.  #Governo #É Manchete!