Nesta terça, 09, o Senado começou o julgamento da pronúncia, ou seja, da decisão sobre se a presidente afastada Dilma Rousseff deverá ou não tornar-se ré por crime de responsabilidade. A sessão foi aberta pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, o ministro Ricardo Lewandowski, encarregado de presidir a fase de pronúncia e do julgamento.

Ao abrir a sessão, Lewandowski afirmou que não caberia a ele "emitir opiniões" e solicitou aos senadores que tenham "isenção e prudência" na hora de votar. Ainda não se sabe a que horas deverá terminar a sessão, pois todos os senadores poderão falar, se assim desejarem.

A expectativa é de que enverede pela madrugada, podendo durar até 30 horas.

No plenário, cada senador poderá usar a palavra por até 10 minutos. Em seguida, eles responderão aum questionamento: se querem ou não processar a presidente por crime de responsabilidade. É preciso maioria simples, ou seja, 41 votos pelo "sim" para que a presidente seja tornada ré.

Um levantamento feito pelo jornal "O Globo" indica que ao menos 44 senadores deverão votar contra Dilma e apenas 18, a favor. Outros 16 não se declararam e três não foram encontrados.

Os senadores governistas já se conformaram com a derrota, mas dizem estarem mais interessados no julgamento final.

Após a votação, caso o parecer de Anastasia (PSDB-PR) seja aprovado, o presidente do Supremo deverá conceder um prazo de 48 horas para que defesa e acusação apresentem suas alegações finais e arrolem até seis testemunhas para corroborar suas posições. Em seguida, contará um prazo de dez dias para marcar o julgamento final.

Apoiadores de Dilma esperam dela uma última tentativa de salvar o mandato: uma carta, em que ela se comprometa com a realização de novas eleições.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Lula Política

A princípio, foi informado que esta carta seria lançada no último dia 8, o que não ocorreu.

No julgamento final, que poderá acontecer entre o fim de agosto e o início de setembro, o afastamento definitivo da presidente precisa ser aprovado por dois terços dos senadores, ou seja, 54. Depois, a presidente será notificada e perderá seus direitos políticos por oito anos. Se não forem computados dois terços dos votos a favor, Dilma retornará ao governo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo