Após uma mãe afirmar que o filho tinha morrido apóstomar um achocolatado que estaria infectado com algum verme ou bactéria, na semana passada, em Cuiabá, a polícia prendeu, na manhã desta quinta-feira (1°), dois suspeitos de envenenar o lanche da criança de apenas 2 anos. A suspeita é que o achocolatado tenha sido envenenado pelos homens. O caso está sendo apurado e investigado pelaDelegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (Deddica).

Os acusados são Adones José Negri, de 61 anos de idade, eDeuel de Rezende Soares, de 27.

A suspeita é que Deuel teria roubado o achocolatado e José teria envenenado o mesmo com veneno para matar ratos. Eles estão na delegacia para prestar depoimento sobre o caso.

A Polícia Civil aguarda a análise do produto que foi enviado ao laboratório para saber se de fato foi envenenado ou não.

A Deddica, responsável pelas investigações e apreensão dos acusados, não divulgou mais detalhes, e informou que aSecretaria de Estado de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp-MT) vai explicar todo o caso em uma coletiva de imprensa nesta tarde.

Suspeita de produto infectado

Após a criança ingerir o lanche que leva o nome de Itambezinho e vir a falecer umahora depois, a Anvisa suspendeu a venda do produto em todo o Brasil por pelo menos 90 dias para que a suspeita de negligência por parte da empresa fosse investigada.

Em resposta ao acontecimento, a Itambé informou que análises feitas em seus laboratórios não identificaram nenhuma anormalidade na composição do produto e afirmou que estava disponível para cooperar com as investigações.

Entenda o caso

A Polícia Civil de MT começou a investigar o caso quando a mãe da criança, que não teve o nome divulgado, relatou aos policiais que o filho tomou o achocolatado por volta das 9 da manhã e passou mal minutos depois.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

Ela disse que estava na casa da família, que fica localizada no Bairro Parque Cuiabá.

A criança deu entrada na Policlínica do Coxipó, em Cuiabá, com parada cardíaca e não resistiu, vindo a morrer na unidade.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo