No final damanhã desta sexta-feira (21) um dos detentos do pavilhão 4 do complexo penitenciário Doutor Manoel Carvalho Neto (Copemcan), na cidade histórica de São Cristóvão (SE), foi encontrado em chamas em sua cela.Segundo o representante do Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sindipen), Luciano Nery, os detentos agrediram a vítima e depois atearamfogo em seu corpo. O homem foi socorrido e encaminhadoao Hospital do Estado do Sergipe (Huse), em Aracaju.

O hospital informou que o preso foi submetido a tratamento e encontra-se na Ala Vermelha, em estado grave e instável de saúde. A Secretaria de Justiça disse que vai solicitar a instauração de um processo administrativo para investigar as causas do ocorrido.

Problemas nos presídios de Sergipe

Um dadopreocupante no estado do Sergipe é a superlotação dos presídios e as condições encontradas neles, fatores determinantes para graves incidentes que vem ocorrendo nos últimos anos. OSindicato dos Agentes Penitenciários (Sindipen) pede a aberturade vagas para novos agentes, por meiode concursos, e solicita aquisição de novos equipamentos, em caráter de urgência.

Entende-se que os presídios em todo o Brasil estejam , em situação de abandono, precisando de sérias reformas já que suas condições continuam caóticas e necessitam com urgência da atenção do governo,pois o sistema está falido e se não for decretado estado de emergência no sistema penitenciário,parando definitivamente com as atividades para que se possa buscar soluções imediata para controle geral das fugas e melhores condições de segurança, até então ficará difícil manter a ordem e organização quanto aos presos que ai se encontram.

Outra pergunta é: como os detentos têm acesso a material inflamável? Até quando teremos deesperar da justiça medidas preventivas que venham a inibir o acesso de materiaisilícitos em penitenciarias detodo o país? E por que as fiscalizações não são tão atuantes a ponto de controlarem de uma vez por todas as formas de agressão por partes daqueles que estão confinados pagando por seus erros?

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!