O Tribunal de Contas do Estado do Sergipe resolveu fazer mais uma sessão extra que acontecerá na próxima semana, mais precisamente na segunda-feira (28), o motivo dessa ação se dará pelo fato de muitos municípios descumprirem o acordo feito pelo Tribunal de Contas, em regularizar suas dívidas, além enviar até o dia 10 o calendário de pagamentos com a relação de todos os funcionários.

Diante dessa atitude, a nova sessão extraordinária do Pleno servirá para acertar a forma mais breve de impedir a utilização das contas públicas das cidades sergipanas que ainda não arcaram com os pagamentos dos vencimentos dos funcionários municipais.

De acordo com o que foi combinado na sessão anterior, que aconteceu na última terça-feira (22), a cidade em débito teria até a próxima sexta-feira (25), para confirmar o pagamento dos vencimentos em atraso, sob responsabilidade e sentença de haver o bloqueio de suas contas. No entanto, foi estabelecido um prazo a suceder os valores do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços recebidos pelos municípios na quinta-feira (24).

Conforme o Tribunal informou, foram registradas as seguintes cidades com pendências: Cumbe, Gararu, Laranjeiras, Maruim, Pacatuba, Rosário do Catete, Santo Amaro das Brotas, São Cristóvão e Umbaúba, cujo administrador, o senhor José Silveira Guimarães, já regularizou as pendências perante o funcionalismo público, quando visitado pelo conselheiro Carlos Alberto Sobral.

Os melhores vídeos do dia

Para os representantes do Tribunal de Contas do Estado, na pessoa dos conselheiros, de ante mão não será necessário a inserção dos municípios que já constam com suas contas bloqueadas pelo judiciário, é o caso de Aquidabã, Telha, Poço Redondo e Japoatã, nem a capital que se encontra sobre sentença do desembargador Cezário Siqueira Neto, interveio no município aracajuano determinando o pagamento dos salários dos servidores na ativa, além dos inativos e pensionistas.

Segundo o Tribunal de Contas do Estado, a punição servirá para aqueles inadimplentes com os servidores públicos.