A Polícia Federal já conseguiu identificar um dos lideres da facção criminosa Família do Norte (FDN), que comandou de dentro da cadeia o massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde no mínimo 56 presos foram mortos e outros 4 presos mortos na unidade Puraquequara, totalizando no mínimo 60 mortos, neste último domingo(1), em Manaus. O ‘xerife’ da quadrilha é Márcio Ramalho Diogo, de 34 anos, mais conhecido como “Garrote”.

Ele aparece numa selfie tirada pelos criminosos festejando as mortes, após a chacina. Ele está ao fundo com um boné vermelho na cabeça.

A Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da PF no Amazonas, conseguiu identificar o ‘xerife’ justamente por causa da foto de comemoração entre os criminosos. Márcio é conhecido como um bandido frio e violento, ele teria sido promovido pela facção, e dentro da cadeia, era ele quem decidia as penas que eram aplicadas aos presos.

As penas variavam de ferimentos graves até a pena de morte. O criminoso é o homem de confiança de ‘Zé Roberto da Compensa’, um dos líderes da quadrilha.

Uma das maiores operações que já foi feita no país para combater o tráfico de drogas, em novembro de 2015, conhecida como Operação La Muralla, tinha como um dos objetivos principais, acabar com a comunicação da quadrilha FDN, do primeiro ao segundo escalão.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Que era disseminar comunicação dos escalões com quem estava nas ruas e com quem estava dentro dos presídios.

Durante a operação a PF consegui prender 19 integrantes da facção, que foram levados para presídios federais. Eles eram responsáveis pelo contrabando de armas, drogas e entorpecentes. Outros 40 integrantes ficaram em um sistema conhecido como Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), dentro de Manaus.

Segundo os investigadores que já vinham acompanhado o caso, a operação teria dado certo, já que teria causado um baque na quadrilha. Pois ocasionou uma quebra financeira e estrutural na facção.

O prazo de punição do castigo conhecido como RDD, acaba em um ano. E com isso facilitou a articulação da chacina, já que alguns desses indivíduos já estão de volta ao convívio. Em consequência disso foi a agilidade em tomar e repassar as ordens dadas pelos agentes do crime.

De acordo com o delegado federal Rafael Caldeira, assim que o criminoso saiu do castigo foi comandar a rebelião em Manaus. “Garrote” quando foi capturado por sua longa ficha criminal é caracterizado como um bandido cruel, na época de sua prisão ele negou qualquer envolvimento com a FDN, porém a selfie dos criminosos não deixam dúvidas de seu envolvimento com a quadrilha.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo