A Polícia Federal prendeu na manhã desta segunda-feira (30) o empresário Eike Batista após ele voltar de uma viagem aos Estados Unidos. O avião do empresário pousou no aeroporto do Galeão, no RJ, por volta das 9h50 e estava sendo esperado por agentes da Policia Federal. Eike foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) para realização do exame de corpo de delito.

Outros alvos da Operação Calicute são: Luiz Carlos Bezerra, Sergio de Castro Oliveira, Álvaro José Galliez Novis, Francisco Assis Neto, Thiago Aragão e o advogado Flávio Godinho.

Inicialmente, Eike estava no presídio Ary Franco, localizado em Águas Santas, Zona Norte do Rio de Janeiro, mas já foi transferido para o presídio Bandeira Stampa, mais conhecido como Bangu 9, que fica na Zona Oeste do Rio.

Já em sua nova "residência", o empresario ficará em uma cela com capacidade máxima para até seis presos e é conhecida internamente por "Cela de Faxina". A maior parte dos detentos do presídio de Bangu 9 são agentes de segurança pública que foram detidos por envolvimento com as milícias do estado do Rio de Janeiro. Antes de sua transferência para a unidade prisional de Bangu 9, o empresário teve sua cabeça raspada.

Eike Batista já chegou a ser o sétimo homem mais rico do mundo, mas hoje é um ex-bilionário. O empresário foi preso no âmbito da Operação Eficiência, que é um desdobramento da Operação Calicute. Segundo as investigações, Eike Batista repassou cerca de 16,5 milhões de dólares em propinas para o ex-governador do estado do Rio de Janeiro, Sergio Cabral, do PMDB, por meio de contas no exterior.

Os melhores vídeos do dia

Quando comparadas as duas unidades prisionais pelas quais Eike passou, temos a seguinte informação de super lotação: o Bangu 9 tem capacidade para apenas 992 internos e atualmente conta com 1.865, já o presídio de Ary Franco tem 968 no limite de vagas, mas conta com 2.129 detentos.

Como o empresário não possui formação superior completa, está sujeito a ficar em presídio comum. Ele deve prestar depoimento ainda essa semana.