O avião onde morreram Teori Zavascki e mais quatro pessoas foi muito investigado por meio de um banco de dados na internet que traz informações e imagens de todas as aeronaves que existem no país.

Resta saber quem ficou monitorando intensamente a aeronave, que somente no dia 3 de janeiro teve a imagem acessada quase 1.900, conforme informação dada em primeira mão pelo jornalista Cláudio Tgnolli, ainda no fim da noite desta quinta-feira (19).

O jornalista recebeu essa informação de um policial federal que participa das investigações sobre o acidente. Em um vídeo publicado em seu canal no Youtube, o jornalista diz que esse dado é um elemento importante para a linha de investigação criminal.

“Se é teoria da conspiração ou não, não sabemos, mas o fato é que essa informação de que a aeronave estava sendo monitorada está sendo analisada pelos investigadores”.

Na base de dados, chamada Beechcraft, a ficha contendo os dados e a foto do avião foi clicada num mesmo dia exatas 1.885 vezes. Isso aconteceu em 3 de janeiro, 16 dias antes da queda em Paraty.

Para os policiais, esse incomum interesse demonstra que alguém estava estudando e tentando se aprofundar exatamente neste veículo, cujo prefixo é PRSOM, exatamente o mesmo do acidente, conforme é possível verificar na imagem.

Até a manhã desta sexta-feira (20), as equipes de resgate ainda tentavam resgatar o quinto e último corpo da aeronave, próximo à Ilha Rasa, a cerca de 4 quilômetros da cabeceira da pista do aeroporto de Paraty, no Rio de Janeiro.

Os melhores vídeos do dia

Este último cadáver acabou sendo retirado no avião por volta das 11h30. Segundo os Bombeiros, o quinto corpo foi o do piloto do avião, Osmar Rodrigues. Alguns minutos antes as equipes retiraram uma mulher.

Os corpos do ministro Teori Zavascki, do empresário Carlos Alberto Fernandes Filgueiras e das duas mulheres ainda não identificadas já teriam sido encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) da cidade vizinha de Angra dos Reis. O corpo do piloto também será levado para o mesmo local.

#Crime #Casos de polícia #Política