Uber vai dar treinamento para seus funcionários tratarem melhor o público LGBT, em São Paulo. O treinamento é em parceria com a Comissão da Diversidade Sexual da OAB, da Subseção Jabaquara. Isso faz parte das ações que a empresa tem feito para estimular respeito entre os motoristas e seus passageiros.

Um dos tópicos do treinamento será a lei estadual que pune a homofobia, segundo informações de Marcelo Gallego. A empresa tem enfrentado diversas reclamações de passageiros que são vítimas de assédio pelos motoristas, principalmente em São Paulo, onde o Uber tem a sua maior frota no aplicativo.

A empresa irá investir mais de R$ 200 milhões na abertura de uma central exclusiva para mercado brasileiro. A unidade será construída no Morumbi, em São Paulo, com isso espera gerar mais de 2.000 empregos que podem chegar a 7.000 até o final de 2017.

A corrida dos apps

O anúncio do investimento aconteceu logo após a gigante chinesa Didi Chuxing, conhecida como a “uber chinesa”, ter injetado cerca de R$ 321 milhões na empresa 99, principal rival do Uber em transporte privado de passageiros e caronas compartilhadas no Brasil.

O foco da Didi Chuxing é ultrapassar o Uber, como fez na China onde comprou a subsidiária e eliminou a sua concorrência no mercado local. Provavelmente deve acontecer o mesmo aqui no Brasil, já que decidiu investir no principal concorrente nacional do Uber, a 99.

O mercado de apps para se compartilhar caronas e ligar passageiros aos taxistas tem crescido com a atuação das startups brasileiras 99 e EasyTaxi, e agora conta com chegada da espanhola Cabify ao país, a tendência é queda nos valores das viagens e melhoria no serviços prestados pelas empresas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Vagas

Porém, o Cabify está atuando por enquanto somente nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande de Sul.

O Uber tem fortes concorrentes que não enfrentam tantos protestos por parte das empresas de taxis e autoridades, e não de seus motoristas que reclamam da remuneração inadequada e principalmente falta de segurança nas grandes cidades onde atuam.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo