8

Polícia Militar parada. Vandalismo e bandidagem nas ruas. População em pânico. Assim pode ser definida a situação da segurança pública no Estado do Espírito Santo, principalmente nas últimas horas desse domingo, dia 5 de fevereiro. Em vários municípios capixabas, foram registrados arrastões, assaltos, depredações e muitos disparos de armas de fogo. Ainda não se sabe o número exato de vítimas.

A paralisação teve início na manhã de sexta-feira, dia 03, no Batalhão do Bairro Feu Rosa, município da Serra, no ES, e foi se espalhando por todo o Estado. Em todos os municípios, familiares dos Policiais Militares acamparam em frente as portas dos batalhões e companhias, impedindo a saída dos PMs.O movimento, que está sendo chamado de “A Marcha das Esposas”, reivindica melhores condições de trabalho e reajuste salarial para os PMs.

17 homicídios em 3 dias

Desde a madrugada de sábado até às 7 horas da manhã de domingo (05), foram registradas 17 mortes no Estado, número que supera o registro de mortes violentas no mesmo período do ano passado, segundo relatório da Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), divulgado pelo Jornal A Gazeta.

Domingo de pânico

A situação agravou-se na noite deste domingo (05), com ações de vândalos e bandidos em várias partes do Estado. Nas redes sociais, a população, em pânico, denunciava, a todo momento, situações de agressão, vandalismo e tiroteio, através de vídeos, áudios e fotos.

Em um Shopping da Serra, houve tumulto e as lojas foram fechadas, com a entrada de um homem agredido, que fugia de seus agressores. Do lado de fora, a confusão era grande e a informação de um arrastão fez com que veículos voltassem pela contramão da Avenida Norte Sul.

Os melhores vídeos do dia

Em Cachoeiro de Itapemirim, maior município do Sul do Estado, os moradores registraram e divulgaram nas redes sociais cenas assustadoras de lojas sendo invadidas e saqueadas, vândalos depredando automóveis e bandidos desfilando com armas de grosso calibre nas principais ruas do centro da cidade. Tiros foram ouvidos e registrados em vários pontos do município. Até às 3 horas da madrugada desta segunda, não foi constatada a existência de vítimas.

Comércio, escolas, bancos e repartições públicas fechadas

Devido ao clima de Insegurança instaurado, as autoridades de segurança pública pediram, na noite de domingo, que a população não deixasse suas casas. Muitos estabelecimentos comerciais deverão manter-se fechados na manhã desta segunda-feira. Nos municípios mais populosos do Estado, grande parte das instituições de ensino, bancos e repartições públicas anunciaram que não abrirão suas portas.

Em Cachoeiro de Itapemirim, a Prefeitura divulgou nota anunciando a suspensão das aulas da rede pública municipal.

Escolas particulares e Faculdades também anunciaram suspensão de suas atividades.

Na capital, Vitória, segundo o Jornal A Gazeta, a Prefeitura informou que as aulas do período matutino estão suspensas “para garantir a segurança dos alunos, professores e servidores”. Durante a manhã desta segunda será avaliado se as aulas do período vespertino serão ou não canceladas.

Segundo informações veiculadas nos jornais do Estado, o secretário de Segurança, André Garcia, criticou a paralização, mas admitiu uma defasagem salarial da categoria. Representantes da Polícia Civil, manifestaram apoio à ação e ameaçaram juntar-se à manifestação, o que poderá ser decidido em assembleia geral extraordinária, convocada para o dia 17 deste mês, na Chefatura de Polícia, em Vitória.

Uma nova negociação com familiares do movimento foi marcada para esta segunda (6), às 13h, no Palácio Anchieta, capital capixaba.