A prisão da técnica de vôlei Willyncia Joy Harper, 22 anos, acusada de cometer abusos sexuais contra uma aluna menor de idade. A mãe da garota denunciou a treinadora, após ir buscar a adolescente na casa do pai e encontrar as duas sozinhas em casa.

Willyncia exercia trabalho voluntário em uma escola no Alabama, nos Estados Unidos. Segundos informações uma colega de trabalho teria alertado a administração da instituição de ensino, sobre o possível envolvimento amoroso da treinadora com a aluna.

A princípio ao serem pegas no flagra pela mãe da garota de 15 anos, na casa do pai da menor, as duas negaram o envolvimento. Porém a mãe da adolescente pressionou a garota a contar a verdade.

A estudante então acabou assumindo que vinha mantendo relações sexuais com a técnica desde outubro na casa de seu pai.

Local onde aconteciam os encontros

De acordo com a denúncia feita pela mãe da menor, a treinadora de vôlei se encontrava frequentemente com a garota, e manteve por diversas vezes relações sexuais com a adolescente dentro da casa do próprio pai da garota, entre os meses de outubro a dezembro.

Porém em depoimento na delegacia, Willyncia negou que tivesse mantido relações sexuais com a menor. Segundo a acusada o relacionamento delas era de duas irmãs.

De acordo com as investigações policiais, foi constatado que as duas mantiveram sim relações sexuais. E na quarta-feira (15), o mandato de prisão contra ela foi expelido e a técnica foi presa dois dias depois. Ela foi acusada de cometer ato sexual de professor com aluno menor de 19 anos, segundo informações do jornal "Daily Mail".

Os melhores vídeos do dia

A treinadora foi encaminhada a prisão Condado de Jefferson, no entanto pagou fiança no valor de 18 mil dólares, equivalentes há 56 mil reais, e foi liberada. Willyncia responderá ao processo em liberdade.

A instituição de ensino se pronunciou a respeito do caso, informando que tomará todas as atitudes cabíveis. A treinadora foi banida da escola, e a instituição afirmou não contratar mais funcionários voluntários, na intenção de que não ocorra mais casos de pedofilias envolvendo educadores e alunos. A administração justificou que Willyncia havia sido contratada porque além de ser ex-aluna da escola, ela também foi aprovada em todas as checagens realizas pelo estabelecimento de ensino, antes da contratação. #Crime #Casos de polícia