Um adolescente de 17 anos, identificado como Diego Archanjo, decidiu usar Batom para ir a escola. A prática se iniciou no início do ano de 2017, mas foi 'oprimido' pela Diretora. Leia mais.

'Opressão'

Diego, que é aluno do Sistema Elite de Ensino de Nova Iguaçu, compareceu até a coordenação da escola para retirar dúvidas a respeito de outros fatos, quando foi chamado por uma das professoras para dialogar sobre o batom que usava.

A mulher teria pedido que ele não usasse mais batom na escola, pois o fato não era permitido para nenhum dos alunos, além do que poderia gerar transtornos e preconceitos por parte dos outros estudantes.

Em entrevista ao Extra, o garoto disse que não sabia bem o que fazer e que se sentiu 'oprimido' já que ao, invés de a professora dizer que não deixaria ninguém oprimi-lo, acabou pedindo que ele é que mudasse sua conduta para que não sofresse bullying.

Depois disso, o garoto realizou uma postagem em tom de desabafo no Twitter. A publicação do rapaz viralizou na internet com a hashtag #BatomPodeHomofobiaNAO, a segunda postagem mais comentada do país naquela rede social.

Apoio dos colegas

O que deixou o jovem ainda mais contente foi que, ao chegar na escola no outro dia, grande parte dos alunos usava batom. Disse, ainda, que a coordenadora acabou sendo hostilizada pelos alunos.

O garoto salientou que a mulher só ficou preocupada que ele sofresse algum tipo de comentário maldoso, o que é oriundo de 'machismo enraizado', segundo ele.

Os melhores vídeos do dia

Vários outros alunos de outras unidades da Instituição de Ensino postaram fotos usando batom nas redes sociais. Depois da repercussão, a Coordenadora pediu desculpas para ele e afirmou estar pensando realizar um debate entre os alunos.

Ainda, o adolescente asseverou que o movimento realizado na internet visa coibir machismo, sexismo e a Homofobia.

Nota oficial

O Sistema Elite de Ensino divilgou nota oficial sobre o caso, alegando que a instituição de ensino jamais agiu em tom discriminatório. A escola disse, outrossim, que respeita todos os seres humanos e a diversidade a eles inerente. Ainda exclamou, ao fim, que 'o batom é livre para todos':

E você o que pensa sobre o fato? Foi exagero da coordenação da escola realizar esse tipo de comentário ao aluno ou ele exagerou na reação? Acha que a escola foi maldosa em suas colocações?

Gostou do artigo? Comente e inicie um debate acerca da homofobia em todos os aspectos e ambientes possíveis.