Um caso de violência doméstica que aconteceu em 2011 foi lembrado nesta semana, após a sentença condenatória ao agressor ter sido divulgada. O autor das agressões é um vereador de Mongaguá, no litoral de São Paulo, e filho do atual prefeito da cidade.

O político foi condenado a três meses de prisão por agressão a então mulher, mas deve recorrer da sentença. A pena, considerada branda pela opinião pública, gerou revolta e o caso foi um dos mais comentados nesta quinta-feira (17), na internet.

Vítima diz que foi arrastada pelo cabelo e teve que comer terra

A vítima da agressão foi identificada apenas como uma professora de educação física, de 33 anos. Ela teria 23 anos quando o crime ocorreu, em 2011. Segundo a advogada da mulher, a vítima teria sido espancada pelo vereador Guilherme Prócida (PSDB), com socos na cabeça. Além disso, ela foi puxada pelo cabelo e arrastada pela escada da casa onde os dois estavam.

As agressões teriam sido motivadas por uma discussão entre o ex-casal, após a moça descobrir que havia sido traída. Ao questionar a traição, a professora de educação física foi agredida com vários socos no rosto, teve os cabelos puxados e foi arrastada pela escada.

Segundo informou a advogada da vítima, Cristina Yoshiko Saito, a agressão brutal foi motivada especialmente pelo fato de que a vítima, incomodada com a traição, ameaçou contar sobre a vida promíscua do marido, que frequentaria até mesmo casas de swing, onde ocorrem as chamadas trocas de casais.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Ainda de acordo com a advogada, ao ser ameaçado, o agressor fez com que a vítima engolisse uma planta com raiz e terra, para que ela parasse de falar aquelas coisas. Foi então que a professora decidiu registrar o caso na Polícia.

Opinião pública se revolta com pena banda e possibilidade de condenação ser extinta

Nas redes sociais e espaços para comentários dos meios de comunicação que repercutiram a notícias, muitos comentários de pessoas indignadas com a situação foram publicados.

"Três meses e alguns dias, isso é pena para quem agride uma mulher dessa maneira??? Somos republiqueta. Espero que a advogada, que já ganhou na área penal, peça indenização na cível e faça esse canalha pagar caro", publicou um internauta.

"Três meses??? Agora mesmo vamos ter notícias que ela foi assassinada por esse delinquente acobertado pelo pai político!", escreveu outro. "É piada a pena desse estrume humano, né. Como sempre digo, políticos são safados corruptos bandidos etc., olha aí a confirmação", opinou um terceiro.

Vereador se defende nas redes sociais

Guilherme Prócida divulgou uma nota em suas redes sociais afirmando que a agressão é inverídica e que ele irá provar sua inocência na Justiça. "Sou totalmente contra a violência. O tempo mostrará a verdade!" publicou o político, em seu perfil no Facebook.

Leia a íntegra do comunicado oficial publicado pelo vereador:

Alguns amigos de Guilherme divulgaram mensagens de apoio ao vereador.

No entanto, o post de Gustavo teve vários comentários desfavoráveis a ele.

"Dificilmente uma mulher inventa uma história assim, até mesmo porque é muito humilhante para ela. Eu espero que você pague seus atos, caso os tenha cometido da seguinte forma: Que um negão de 2 metros de altura pegue você, arraste pelo chão e faça comer terra, além de te dar vários socos. Mesmo assim, não vai sofrer como ela, porque atitudes assim vindas de um estranho é uma coisa, de um marido ou namorado é outra. Deus sabe a verdade e da lei do retorno, ninguém escapa", escreveu uma internauta.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo