Viralizou nas redes sociais a postagem de uma professora de Língua Portuguesa e Literatura da cidade de Indaial (SC), localizada a 160 quilômetros da capital Florianópolis.

Marcia Friggi (51), docente no Centro de Educação de Jovens e Adultos, advertiu um aluno de 15 anos, que mantinha seu livro sobre as pernas, pedindo que ele o colocasse sobre a mesa. Porém, o adolescente recusou-se a obedecer à ordem da professora dizendo-lhe que colocaria o livro onde bem quisesse.

Ao ouvir da professora que "as coisas não são assim", o aluno xingou a professora mandando-a "se f."

Diante da atitude do estudante, Marcia Friggi pediu que ele se retirasse da sala de aula. Ao se dirigir-se à saída ele arremessou o livro na cabeça da professora e os dois foram parar na diretoria da instituição.

Ao testemunhar à direção o que havia acontecido, a professora foi interrompida pelo aluno que disse que ela estava mentindo e em seguida passou a ser violentamente golpeada por ele sendo, segundo narrativa da docente, atirada contra a parede ao levar o último soco do adolescente.

Marcia Friggi fez imagens de seu rosto ensanguentado e com o supercílios esquerdo aberto e postou em seu Facebook na manhã desta segunda-feira (21). O desabafo da professora foi compartilhado mais de 300 mil vezes e milhares de internautas se solidarizaram com a agressão sofrida e enviaram mensagens de motivação à Marcia.

Entretanto, nesta terça-feira (22), o "tribunal da internet" retirou a professora da condição de vítima atribuindo à ela a chamada "Lei do Retorno".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro

Isto porque, no dia 19 de agosto, Marcia Friggi compartilhou outra imagem que viralizou nas redes sociais, a do Deputado Federal Jair bolsonaro (PSC-RJ) recebendo ovada de uma manifestante. O fato ocorreu no centro da cidade de Ribeirão Preto, interior paulista, no último dia 17. A professora celebrou o ocorrido com a frase "sua lindeza" em referência à agressora do presidenciável.

Entre os discursos de ódio contra a professora catarinense estão expressões como "apanhou pouco" e acusações de que atitudes de professores simpatizantes da esquerda é que deterioram o Ensino no país.

A ocorrência contra a professora foi registrada como ato infracional por lesão corporal na delegacia da Polícia Civil de Indaial e o adolescente agressor deverá prestar depoimento sobre o caso nos próximos dias.

Em 2016, o jovem foi denunciado pelo mesmo crime cometido com a professora mas, na ocasião, ele teria cometido a agressão contra a própria mãe em caso de Violência doméstica.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo