A detenção de uma repórter da emissora de Silvio Santos, o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), gerou polêmica nesta segunda-feira (4). A profissional, identificada como Thais Nunes, foi encaminhada a uma delegacia de polícia na zona norte da capital paulista, após se recusar a ser revistada pela Polícia Militar.

De acordo com informações divulgadas por amigos da jornalista, nas redes sociais, Thais teria sido tratada com truculência pelos policiais, após se recusar a entregar o aparelho de telefone celular para os policiais.

A jornalista, que está de férias, teria sido abordada em uma praça pública juntamente com um amigo e resolveu filmar a atitude dos policiais no smartphone.

"Policial tentou revistar e sacou arma contra ela", diz amigo da jornalista do SBT

Um amigo de Thaís usou a rede social Facebook para falar sobre o que aconteceu com a amiga. Segundo ele, Thais filmou a abordagem agressiva dos policiais supostamente cometida contra ela mesma.

“A repórter Thaís Nunes, do SBT, de quem tenho a honra de ser amigo, está detida no 20° DP de São Paulo (SP) por se recusar a entregar seu celular a um PM, durante uma abordagem violenta a ela e um amigo, em uma praça da zona norte", denunciou o amigo da repórter.

Segundo a postagem feita pelo rapaz, o policial do sexo masculino tentou revistar a moça. No entanto, a revista teria que ser feita por uma policial do sexo feminino. "Tentou tomar o seu celular e ainda sacou sua arma de trabalho contra ela", afirmou.

Ainda de acordo com o rapaz, a atitude de Thaís e do amigo que a acompanhava foi considerada "suspeita", o que ela achou muito estranho, tendo em vista que ela estaria apenas conversando com o amigo e aproveitando o dia de sol na praça. "Compartilhem esse atentado contra a democracia”, postou o rapaz, indignado.

PM esclarece incidente e afirma que ninguém está "acima da lei"

Em nota divulgada em seu blog oficial de notícias, a Polícia Militar informou que a ocorrência foi registrada por volta das 18 horas. Os policiais foram acionadas por um segurança patrimonial que trabalha na rua Conchilia. O profissional denunciou que havia algumas pessoas em atitude suspeita na praça onde a jornalista foi abordada, que fica bem próxima daquela rua.

Quando os policiais militares chegaram à praça, as pessoas que estavam em atitude suspeita correram.

Segundo informações do segurança que acionou a PM, a praça é usada como ponto de comercialização de drogas.

A PM informou ainda que a jornalista do SBT e o amigo, a quem chamaram de "casal", permaneceram na praça. Os policiais fizeram a revista e não encontraram nada de suspeito com o rapaz. No entanto, conforme informações da polícia, Thaís se negou a ser vistoriada, mesmo que a responsável pela revista fosse uma policial do sexo feminino. A jornalista teria filmado toda a ação em seu smartphone.

Ainda conforme relatou a polícia na nota, a jornalista não quis apresentar os documentos que comprovassem sua real identidade e ainda desrespeitou os policiais.

"Assim, a equipe policial não teve outra opção senão prendê-la por desobediência, conduzindo-a ao 20º DP para registro dos fatos", afirmou a PM, na nota.

Os policiais ainda afirmaram na nota que ninguém está acima da lei no estado de São Paulo e que a corporação continuará a ser o "braço forte protetor da sociedade".

Caso será investigado, diz PM

A ocorrência acabou sendo registrada na delegacia como desobediência e averiguação de abuso de autoridade, tendo em vista que os policiais foram desrespeitados, segundo a PM.

O comandante do 43º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano, onde atuam os policiais envolvidos, mandou instaurar uma investigação preliminar para ouvir todos os PMs que atuaram na ocorrência, o segurança patrimonial que fez a denúncia, além de moradores da região e outras testemunhas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo