Uma menina de apenas 2 anos de idade morreu vítima de espancamento na cidade de Porto Ferreira (SP), e os suspeitos são os próprios tios.

Maria Clara da Silva Oliveira Caetano chegou ao pronto-socorro na noite de segunda-feira com vários hematomas espalhados pelo corpo, e não resistiu aos ferimentos.

O médico que atendeu a menina disse que ela tinha ferimentos no rosto, peito e nos braços, e imediatamente ele acionou a Polícia Militar que prendeu o casal.

O casal tinha a guarda da criança porque a mãe alegava passar por problemas financeiros, por isso, não tinha condições de manter no sustento da menina.

O casal chegou ao Fórum junto com Polícia Civil. A juíza que os ouviu disse que eles vão continuar presos.

Maria Clara da Silva Oliveira Caetano morava com os tios em um sítio localizado à beira de uma rodovia, em Porto Ferreira.

Alguns vizinhos foram ouvidos por uma equipe de reportagem do site G1 e disseram que a criança parecia ser bem tratada. Os vizinhos ainda falaram que ela mostrava estar feliz na presença da menina, pois a tia dizia que queria ter um filho.

Muitas pessoas que moram perto do sítio ficaram abaladas com a notícia, pois diziam que eles compravam tudo para ela.

O corpo da menina foi levado para o IML (Instituto Médico Legal) de São Carlos.

Desconfiança das agressões

A mãe começou a desconfiar das agressões porque via a menina constantemente com hematomas pelo corpo, e os tios sempre inventavam desculpas. Os pais sempre a visitavam e os tios já estavam há 9 meses com a guarda da criança.

A mãe de Maria Clara, Aline Roberto da Silva, disse em entrevista que a menina sempre aparecia com roxos nas pernas, nos braços, e quando perguntava para a irmã, ela dizia que a menina caía de moto, ou de bicicleta. Toda vez era a mesma desculpa.

A mãe de Ana Clara ainda disse que a tia não gostava das visitas feitas por ela, e não gostava que a menina a chamasse de mãe.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

"Toda vez que eu chegava lá minha filha falava 'mamãe, mamãe', e ela não gostava, dizia: 'não chama de mãe, não, chama de Aline'. Não gostava que me chamasse de mãe", disse ela.

O pai disse que eles só negavam e nunca falavam a verdade, até que aconteceu o crime, e os médicos constataram as agressões.

Os tios da menina estão presos preventivamente, suspeitos de cometerem o crime de homicídio qualificado. O rapaz no centro de triagem de São Carlos, e a tia no centro de triagem de Ribeirão Bonito.

O delegado que está investigando o caso, Rogério Fakhany Vita, informou que os acusados não têm passagens pela polícia, e que o caso foi registrado como homicídio qualificado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo