Na manhã deste domingo (22), uma das três vítimas internadas no Hospital de Urgência de Goiânia (HUGO) recebeu alta hospitalar. O ataque aconteceu na última sexta-feira (20) no colégio particular Goyases de Goiânia. Outras vítimas da tragédia encontram-se em estado grave. Duas meninas que estão recebendo tratamento intensivo no HUGO não terão estado de saúde divulgado à pedido da família.

Durante a confusão dentro do colégio, quatro adolescentes ficaram feridos e duas crianças morreram baleadas após o ataque.

O adolescente de 14 anos agiu motivado por ter sofrido bullying

De acordo com informações das autoridades, o autor dos disparos queria se vingar dos colegas de classe, pois eles estavam cometendo bullying constante. O relato de um aluno de 15 anos que estava na sala na hora do tiroteio, foi de que o adolescente era alvo de piadas maldosas."Ele sofria bullying [VIDEO], o pessoal chamava ele de fedorento, pois não usa desodorante".

Massacres de Columbine e Realengo

Segundo informações do próprio adolescente, ele buscou inspiração em dois acontecimentos; o primeiro foi os tiroteios em Columbine, nos Estados Unidos e o segundo de Realengo, que ocorreu no estado do Rio de Janeiro.

O policial civil que investiga o caso informou que o menor relatou que não se inspirou apenas nesses acontecimentos, mas também foi movido pelo bullying que sofria por parte de um dos adolescentes, a partir disso nasceu a ideia de matar alguém.

Filho de Policiais Militares, o adolescente atirou com uma arma do tipo pistola. 40. que é de uso da PM. Segundo informações, a arma pertence à mãe do autor dos disparos.

Funcionária da escola diz que o estudante de 14 anos que atirou nos colegas era um ótimo aluno

De acordo com a funcionária do colégio Goyases, que preferiu não se identificar, o estudante que atirou contra a vida dos colegas de classe era um "ótimo aluno", informou ainda que ele estudava na escola desde os 05 anos, tinha notas excelentes, dentre outras informações.

A coordenadora da instituição contou em entrevista exclusiva ao programa Fantástico, da rede Globo que teve a arma apontada para o seu abdômen.

Foi ela que teve o ato sublime de convencer o adolescente de 14 anos a parar de atirar nos colegas, e travar a pistola. Em seguida, levou-o para biblioteca e tentou tranquiliza-ló até a chegada dos policiais.

O colégio Goyases emitiu nota de pesar pela tragédia ocorrida na última sexta-feira, a instituição ainda pede oração para a recuperação dos feridos, que encontram-se em cuidados hospitalares ainda.

Não perca a nossa página no Facebook!