Na manhã desta sexta-feira (20), um jovem de 14 anos atirou em colegas, matando dois e ferindo outros quatro, no Colégio Goyazes, uma Escola particular de Goiânia (GO). O rapaz, filho de policiais militares, era conhecido por ser “calado e muito inteligente”, de acordo com informações colhidas pela Folha de São Paulo.

Uma das possíveis motivações do crime, tem relação com bullying praticado por vários colegas contra o jovem. Alguns estudantes confirmaram que o adolescente era apelidado de “fedido”, pois, segundo depoimento dos jovens, ele não parecia usar desodorante.

O ataque

De acordo com testemunhas, tudo ocorreu no horário do intervalo, quando a professora não estava na sala de aula. O jovem sacou uma pistola .40, que guardava na mochila, e abriu fogo contra os colegas. O alvo, inicialmente, foi colega João Vitor Gomes, que seria um dos bullies, mas no fim ele resolveu atirar também à esmo, atingindo outros jovens.

Após utilizar todo o cartucho e recarregar o segundo, o atirador ainda apontou a arma para a cabeça, mas foi convencido pela coordenadora para que lhe desse a pistola e se entregasse. Dois dos alunos atingidos morreram no local.

Mortos e feridos

Os estudantes João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, foram as vítimas fatais do ataque realizado pelo aluno do 8º ano. As outras vítimas são Hyago Marques, Marcela Rocha Macedo, que estão internados mas fora de perigo, e Isadora de Morais que está em estado grave. Todos estão no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Já a aluna Lara Fleury Borges, que foi levada para o Hospital dos Acidentados, está em estado estável.

O atirador

Após o ataque o atirador foi apreendido pela Polícia Militar e levado para a sede da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai) para ser ouvido, e posteriormente para o IML, onde realizou exames de corpo de delito.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Escola

As informações colhidas com o adolescente indicam que ele pegou a arma da mãe - uma policial militar - para pôr em prática o crime que já vinha planejando por dois meses e que teve como inspiração o massacre de Columbine e o de Realengo. O primeiro, um ataque realizado em 1999 na Columbine High School, nos EUA, por dois estudantes, que deixou um total de 15 mortos - incluindo a dupla - e 24 feridos.

O segundo caso ocorreu na Escola Municipal Tasso da Silveira, há 6 anos, no Rio Janeiro, onde o ex-aluno da escola, Wellington Menezes de Oliveira, invadiu e disparou contra estudantes, matando doze e ferindo treze.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo