Muita gente não vê chegar a hora de não precisar mais programar o despertador, 'pendurar as chuteiras' e aproveitar os anos que restam sem fazer absolutamente mais nada.

Porém, o que para muitos trabalhadores estressados com suas inúmeras atividades diárias seria um verdadeiro 'sonho' concretizado, nem sempre é uma realidade satisfatória para quem já conseguiu a aposentadoria e, digamos, poderia se dar ao luxo de não ter mais hora para pular da cama.

É o que acontece com Bernardina Angeli Fagundes, mais conhecida como Dona Dinha, que vive em São João Batista, na Grande Florianópolis (SC).

A ex-agricultora, aposentada desde os 65 anos, produzia estopas de limpeza, que são utilizadas em oficinas mecânicas. No entanto, depois de 15 anos fazendo as costuras em casa com a ajuda da filha, não pôde mais exercer a profissão.

O dono da empresa de confecção morreu há dois meses. Sem o patrão, a entrega semanal do frete - com o volume de serviço trazido de uma cidade vizinha - deixou de chegar à casa de Dona Dinha.

Choro e recontratação

Dona Dinha viu o coração encher-se de tristeza pela falta de trabalho.

Recentemente, durante um passeio pelo interior do município encontrou o secretário de Desenvolvimento Econômico. Plácido Vargas conta que “ela chorou” ao relatar que tinha perdido o serviço. Mais tarde, na casa da simpática senhora - com mais de um século de vida -, o secretário tirou uma foto de Dona Dinha sorrindo. Em seguida, anunciou, pelas redes sociais, que a mulher, aos 104 anos de idade, estava à procura de emprego.

O apelo acabou chegando aos filhos do antigo patrão. Assim, ela acabou ‘recontratada’.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Vagas

E os primeiros envios de material para produção já chegaram na residência. Dona Dinha voltou ao batente, feliz da vida.

O que importa não é o valor pago pelo trabalho - R$ 0,50 por quilo de costura – mas, sim, manter-se ativa e ocupada, diz a filha de Dona Dinha, Terezinha Fagundes, de 70 anos, também já aposentada.

Rotina

Dona Dinha é viúva há 65 anos. Ela teve três filhos. E não esconde a vontade de trabalhar, especialmente de costurar roupas, coisa que já fez muito nesse tempo todo.

Ela conta que acorda às 6h, toma café feito no fogão à lenha, pega firme no serviço de criação de galinhas e, em seguida, vai para a costura.

A idosa não sabe dizer se há um segredo para uma pessoa viver bem e feliz, mas reconhece: “Quem manda na minha vida é Deus.”

Dona Dinha é considerada a moradora mais antiga da cidade de São João Batista (SC), segundo a prefeitura.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo