Um caso chocante vem abalando a cidade de Rio Largo, localizada na Região Metropolitana de Maceió, capital de Alagoas. Uma mãe se recusa a sepultar o corpo da filha, que foi declarada como morta desde o último domingo (12). A mãe da menina, Cristina, diz que a garota não apresenta os sinais comuns a um cadáver, como, por exemplo, rigidez cadavérica, mau cheiro, inchaço e baixa temperatura.

"O corpo não apresenta textura de um cadáver.

Eu consegui mexer as mãos dela, a barriga não está dura, o corpo está quente", afirmou. Além do mais, ela revela que existe um histórico de catalepsia na família, doença essa que muitas vezes é confundida com a morte, por apresentar um quadro onde o coração praticamente deixa de bater, voltando a funcionar algumas horas depois. Casos de catalepsia, onde pessoas foram declaradas como mortas e depois ‘’voltam à vida’’, são conhecidos pela medicina.

Cristina ainda alega que essa não foi a primeira vez que a filha foi dada como morta. "Fui atropelada quando estava grávida dela. O médico falou que o feto tinha morrido, e quando eu fui retirar o feto 15 dias depois do acidente, foi constatado que ele estava vivo", relembra.

Débora Isis Mendes de Gouveia, de 12 anos, teve o óbito declarado por um hospital particular na cidade de Maceió, onde estava internada por causa de uma infecção urinária.

À espera de um milagre

Graças a repercussão do caso, muitos vizinhos e curiosos foram ao velório da menina. Em depoimentos pelas redes sociais, alguns afirmam que a garota chegou a abrir os olhos e a chorar durante algumas orações com trechos que citavam a ressurreição.

Vários são os depoimentos de pessoas que, assim como Cristina, acreditam que Débora ainda está viva. Já outros acham que tudo não passa de uma histeria coletiva.

Mistério está próximo do fim

Na manhã desta terça-feira (14), o corpo da menina foi encaminhado ao Serviço de Verificação de Óbitos (SVO), para ser examinado e ter, ou não, a morte constatada.

O promotor de Justiça Magno Alexandre e o delegado Manoel Wanderley estiveram na casa da menina e acompanharam o encaminhamento. O promotor afirma que o procedimento médico será feito com toda cautela e espera que o laudo saia o mais rápido possível.

"O corpo será analisado. Se a dúvida da família ainda persistir, então, ele será levado ao IML [Instituto Médico Legal]", declarou. Débora Isis tinha o sonho de ser cantora e publicava em suas redes sociais vídeos onde comprovada o talento que tinha. Veja:

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo