Um caso de agressão ficará para sempre marcado na vida de um administrador de Hospital na cidade de Três Corações, no Sul de Minas Gerais.

A Polícia Civil iniciou as investigações a respeito do ocorrido envolvendo os seguintes agressores: um médico, três irmãos, um agente penitenciário e um técnico em radiologia.

Esses indivíduos atacaram no local de trabalho, Arnaldo Afonso Monteiro, de 58 anos, que é o diretor administrativo e financeiro do Hospital São Sebastião.

Entre os envolvidos está Lucas José da Silveira Cesarino, guarda de presídio, que, com uma pistola em punho, intimidou o administrador, de modo que seus irmãos, juntamente com o radiologista Cristiano Cesarino e o médico Marcelo Cesarino, deram tapas, socos e pontapés na vítima.

De acordo com informações, as agressões, que ocorreram na tarde da quarta-feira (27) , foram motivadas, devido os irmãos terem ficado insatisfeitos com a liberação de visita para um sobrinho dele que estava em estado grave na UTI.

Segundo o relato da vítima, ele estava falando ao telefone com o chefe da UTI, e no momento que ia informar ao Médico Marcelo que a visita tinha sido autorizada, ele nem esperou e já o agrediu, mesmo tendo ciência de como é o procedimento no local. Monteiro afirmou que se sentiu indefeso e até pensou que iria morrer no momento que viu o irmão do médico agressor sacar uma arma, pois Marcelo mandava disparar.

O administrador ainda ressalta que foi agredido por volta das 12h30, e às 16h do mesmo dia, o sobrinho dos agressores veio a falecer. O paciente era um rapaz de 16 anos de idade, que tinha sofrido um acidente às 22h30 do dia anterior em sua cidade. Ele foi trazido de ambulância ao hospital e informaram que se tratava de um caso de fratura. No entanto, após terem sido realizados todos os exames, foi constatada que era uma situação de alta complexidade, e por esse motivo, na quarta-feira, bem cedo, o paciente foi submetido a uma cirurgia.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

As agressões só terminaram após a intervenção de um idoso que é avô dos irmãos. Nesse momento, Monteiro conseguiu escapar do local e procurou ajuda da polícia.

O agente prisional, não satisfeito com a situação, invadiu a área da recepção, de modo que fosse evitado que a polícia fosse acionada. O administrador contou que o radiologista e o médico fugiram após a agressão e somente Lucas foi preso pela polícia. O detido negou que tinha pegado a arma e ainda justificou sua presença no local foi para apaziguar seus irmãos.

Guarda prisional foi autuado por crime de ameaça

Conforme a Polícia Civil, o agente prisional foi autuado por crime de ameaça, porém, de menor potencial ofensivo. Após ter sido ouvido, ele foi liberado sem sua arma. Na quinta-feira, pelo motivo da arma possuir registro, ela foi devolvida.

Após a vítima ser ouvida, a polícia irá analisar todas as filmagens das agressões. Monteiro acredita que não tenha sido apenas alvo de agressão física, mas de uma tentativa de homicídio, pelo fato de uma arma ter sido apontada em sua direção.

A vítima está requerendo além da investigação na Polícia Civil, medidas administrativas contra os agressores junto aos seus conselhos de classe, por terem causado tumulto no hospital.

A Secretaria de Estado de Administração Prisional, por meio de uma nota, informou que tomou conhecimento a respeito da conduta que Lucas Cesarino, agente de segurança penitenciário pertencente ao Presídio de Machado, e que será efetuada a abertura de um processo interno para apurar os fatos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo