Em sua última fala pública antes do início do julgamento que julgará seu recurso em segunda instância, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou em ato com militantes em Porto Alegre, onde será realizado o julgamento, nesta terça-feira, dia 23.

Em pouco mais de meia hora de discurso, Lula disse que não gostaria de falar de Justiça por ter “advogados competentes que já provaram” sua inocência. O ex-presidente também disse acreditar que os desembargadores da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4) [VIDEO]irão lhe julgar pelos “autos do processo”, e não por “convicções políticas”.

Durante a fala aos militantes, Lula também anunciou que fará uma caravana pelo Rio Grande do Sul em fevereiro.

O ex-presidente também afirmou estar com a “consciência tranquila” sobre o resultado, afirmando que continuará em pré-campanha independente da decisão do TRF-4.

Lula também admitiu que o PT cometeu erros durante seu período à frente do governo federal, mas disse que os erros de seu partido “não são nada” em comparação com os de seus adversários políticos.

O ato contou também com outras figuras políticas que discursaram em apoio a Lula, como a ex-presidente Dilma Rousseff e a deputada e pré-candidata à presidência pelo PCdoB, Manuela d'Ávila.