A lei da prisão começa a estar cada vez mais visível na mídia tradicional. Antes, todos sabiam ou imaginavam, de maneira popular, que algo acontecia dentro da prisão com os suspeitos presos por crimes contra mulheres e crianças. Atualmente, até novelas e filmes tentam retratar essa realidade. O que se sabe é que existem regras entre os próprios presidiários e as punições são sempre físicas. Especialistas garantem que a forte punição para crimes de violência sexual se dá porque os presos se colocam no lugar dos parentes das vítimas, imaginando que a vítima poderia ser a sua esposa ou filha. No caso mais recente, dois suspeitos sofreram com essa lei em uma delegacia após terem sido presos pela morte de um casal em Camaçari, na Bahia, sendo que a mulher foi abusada diversas vezes pelos criminosos.

Uma gravação está circulando nas redes sociais e mostra que os outros presos da Delegacia de Camaçari ordenam que os dois tenham relações sexuais entre si. Conforme a família de um dos suspeitos, o vídeo teria sido feito por um terceiro detento, que não foi identificado. A Secretaria de Segurança Pública já confirma que as imagens foram gravadas no local e também afirma que abriu um inquérito para investigar o ocorrido. Os homens que aparecem nas imagens são Daniel Neves Santos Filho, de 29 anos, e Carlos Alberto Neres Júnior, que ainda não teve a idade confirmada.

O crime cometido pelos dois suspeitos é considerado um dos mais chocantes dos últimos tempos na cidade baiana. [VIDEO]Os dois homens, com a participação de três adolescentes – um era filho de Carlos Alberto, assassinaram o casal formado por Juvenal Amaral Neto, de 57 anos, e Kelly Cristina Amaral, de 44 anos.

As vítimas foram encontradas enterradas no quintal da própria casa. Conforme as investigações, o crime aconteceu ainda no último dia 5 e os suspeitos foram presos já no dia 9. As investigações apontam que o grupo invadiu a casa porque queria saber onde estava a quantia de R$ 70 mil recebida pelo casal. Além de abusar de Kelly, o grupo ainda torturou as vítimas até a morte.

As imagens que estão sendo divulgadas na internet contam com dois minutos e são chocantes. [VIDEO] Primeiro, os detentos mandam a dupla praticar sexo oral. Quem recebe é obrigado a dizer que é um estuprador e também é mandado a chamar o parceiro de crime de “safadinha”. Alguns presos, durante a exibição, garantem que é “assim que se faz na cadeia”. Já na segunda parte da gravação, os dois homens são obrigados a abaixar a bermuda e passar a língua no ânus, um do outro.

O vídeo foi descoberto pela família, que já levou até a Corregedoria. A SSP já havia informado sobre o inquérito e garantiu que irá investigar o uso de aparelhos celulares por detentos. #sexo na cela #presos e sexo #bandidos estupradores