O estupro é um crime considerado grave até mesmo na cadeia. É comum que abusadores sejam colocados em celas diferentes na cadeia, mas nem sempre é isso o que acontece e, mais tarde, eles também acabam sendo alvos do mesmo crime, o abuso sexual. Nesse fim de semana, um vídeo de abuso sexual dentro da prisão acabou repercutindo em todo o país graças ao site 'Correio da Manhã'. O vídeo, que ainda podia ser visto no youtube na manhã deste sábado (13), mostra o exato momento em que presos por estupro são estuprados na cadeia. Um dos homens chega a pedir para parar. "Está doendo, não quero", diz ele, enquanto os outros lembram o motivo do crime. "Merece para aprender", argumenta outro bandido.

Crime faz justiça com as próprias mãos e estupros em cadeias são comuns

Dois presos que teriam molestado e matado uma mulher (assassinaram também o companheiro dela) aparecem nas imagens sendo abusados. O assassinato aconteceu em Salvador, já os abusos na prisão ocorreram dentro de uma delegacia de Camaçari. O vídeo do ato proibido foi feito por celulares por outros detentos. Os presos obrigam que os acusados realizem atos sexuais entre si. A Secretaria de Segurança local confirma as imagens e diz que está apurando para tentar identificar quem seria o culpado pelo material. Os presos que obrigaram os demais a praticarem sexo podem ser condenados pro estupro.

Estupradores são obrigados a fazerem sexo entre si na cadeia em Salvador

Os presos que são obrigados a terem relações entre si tem 29 anos de idade.

Um é Daniel Neves e o outro Carlos Alberto. Os dois, além de três adolescentes foram presos pela morte de um casal, Juvenal, de 57 anos, e Kelly, de 44 anos. A mulher teria sido abusada diversas vezes antes de ser morta. Mais tarde, os cinco rapazes enterraram os corpos dos dois no quintal. O vídeo do abuso dentro da cadeia tem pouco mais de dois minutos. Um homem é obrigado a fazer sexo oral com outro. Enquanto isso, eles são agredidos e estimulados a fazerem outros atos. Um dos homens é obrigado a deixar que o outro enfie a língua na parte de trás do seu corpo. Em seguida, a penetração é consumada.

Um dos irmãos de Carlos Alberto disse que recebeu as imagens, mas que preferiu não assistir até o final. "É muito forte. Os presos diziam que ‘era assim que fazia com estupradores’. Foi repugnante, colocando um com o outro, fazendo aquelas cenas horríveis”, revelou ele ao comentar o assunto que agora repercute em todo o país. #estupro na cadeia #É Manchete!