O Supremo Tribunal Federal (STF) estuda restringir o benefício de Auxílio-moradia concedido a juízes de todo o país. Segundo reportagem publicada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta segunda-feira, dia 12, o STF quer restringir a concessão de auxílio-moradia para magistrados que atuem fora de sua cidade de origem por um período de tempo pré-determinado.

Ainda segundo a publicação paulistana, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, afirmou que pretende debater o assunto no órgão durante o mês de março. A situação passou a ficar em evidência após reportagens que mostravam que diversos juízes espalhados pelo o Brasil recebem o benefício de auxílio-moradia mesmo possuindo imóveis próprios nas cidades onde atuam.

As revelações causaram uma crise no Judiciário e afetaram até juízes conhecidos pelo público, como Sérgio Moro e Marcelo Bretas, famosos pelos julgamentos da Operação Lava Jato, que também recebem o benefício.

Ao mesmo tempo em que se vê em uma saia justa pela repercussão negativa causada pelas revelações do auxílio, o STF enfrenta pressões internas de magistrados que afirmam que o benefício é necessário. Recentemente, a Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) enviou uma petição ao STF solicitando que o tema fosse engavetado.

O tema se tornou um "calcanhar de Aquiles" para o Judiciário, que vinha sendo elogiado pela opinião pública desde que ações que envolvem crimes praticados por políticos passaram a ganhar os noticiários nos últimos anos. Com a crise gerada após as notícias de que os magistrados do país recebem o benefício, o STF quer agir para evitar a impressão de que membros do Judiciário tenham vantagens desproporcionais às custas do dinheiro do contribuinte.