Na última quinta-feira (15), numa creche localizada no bairro Cabula VI, na capital da Bahia, aconteceu uma tragédia. No acidente, uma criança de apenas 2 anos de idade faleceu, depois de cair dentro de uma piscina na creche e se afogar. Conforme informações levantadas pela Polícia Civil, o nome do garotinho é Vitor Figueredo de Andrade.

A vítima foi socorrida e encaminhada para a Unidade de Pronto Atendimento do Hospital Roberto Santos, porém não resistiu. A mãe do menino, que ficou muitíssimo abalada, necessitou tomar medicamentos devido ao trágico Acidente.

No local, estiveram os familiares, no entanto decidiram não relatar sobre o ocorrido com a imprensa.

O corpo da criança foi recolhido da unidade hospitalar pela equipe do Departamento de Polícia Técnica (DPT) e conduzido ao IML, aproximadamente às 18h, onde serão realizados exames de perícia.

Ainda de acordo com a polícia, o fato aconteceu por volta das 10h, dentro da Creche Escola Construir. Nesta escola são ofertadas aulas desde a educação infantil até o ensino fundamental I. Além disso, há uma informação fixada na parte de fora da escola, informando que no local, também são oferecidas aulas para atividades físicas de natação e hidroginástica, entre outras modalidades de esportes fora da água.

A polícia já começou a colher os depoimentos de todos os funcionários e também do proprietário da creche, que também dá aulas de educação física, e comandava a escola desde 2016. O caso está à frente das investigações da delegada Lúcia Jansen.

Caso

Essa tragédia aconteceu justamente no primeiro dia de aula de 2018 em que Vitor participou. O garotinho era filho unigênito e já estudava há cerca de um ano nessa creche.

A princípio, a polícia trabalha com a linha de investigação considerando a hipótese de negligência, devido às condições da creche serem inadequadas para o local.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

A unidade educacional possui alvará de funcionamento emitido pela prefeitura municipal, porém não tem o de liberação da obra realizada no local.

Na hora do acidente, além do dono da creche, também havia seis funcionários no local. Segundo informações iniciais repassadas pela polícia, a fatalidade aconteceu no horário em que as crianças participavam do lanche.

A polícia também relatou que, nesse momento, a porta da escola que permite passagem até a piscina estava aberta. Sem ser visto, o menino saiu andando do meio dos demais e acabou sofrendo uma queda.

Embora a piscina possua uma tela proteção, na hora do acidente, ela estava desprotegida. O menino conseguiu passar com facilidade pela grade no acesso à água. Ele foi resgatado por dois professores.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo