Nesse domingo (11), funcionário dos Correios em 22 estados e Distrito Federal entraram em greve por tempo indeterminado. Mesmo sendo uma paralisação, algumas agências ainda estão funcionado parcialmente, mas é preciso atentar-se, pois a Greve dos Correios atinge tanto os setores de atendimento como os de distribuição.

Estados atingidos na greve dos Correios

Segundo informações da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect), a paralisação dos Correios atinge os estados da Bahia, Alagoas, Ceará, Acre, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Piauí, Paraná, Pará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo (regiões de Ribeirão Preto, São José dos Campos, Campinas, Santos e Vale do Paraíba) e o Distrito Federal.

Os estados do Amazonas e Amapá também encontram-se em greve.

Mesmo com a paralisação parcial, conforme informações dos Correios, os serviços não foram afetados e o público receberá atendimento e poderá realizar serviços normalmente nas agências.

Reivindicações

A greve dos Correios tem como objetivos a mudança no plano de carreira e a alteração de benefícios para os funcionários. Confira abaixo as principais reivindicações:

  • mudanças nos Planos de Cargos, Carreiras e Salários
  • redução da carga horária
  • alteração do salário de funcionários da área administrativa
  • extinção do cargo de operador de triagem e transbordo (responsável pelo tratamento e encaminhamento de cartas e encomendas)
  • cobrança de mensalidades
  • retirada de dependentes do plano de saúde
  • realização de novo concurso, pois desde 2011 não é proposto um edital
  • fim dos planos de demissão voluntária, que reduzem o número de funcionários
  • fim da suspensão de férias para carteiros, atendentes e operadores de cargas
  • fim do fechamento de mais de 2.500 agências próprias por todo o Brasil

Greve anterior dos Correios

A última greve dos funcionários dos Correios ocorreu há cerca de 6 meses e durou 17 dias, impactando diretamente em diversos serviços das agências.

Na época, os trabalhadores aceitaram o acordo com a estatal, reajustando de 2,07% dos salários e benefícios retroativo ao mês de agosto de 2017.

Também houve acordo para compensação de 64 horas e desconto dos dias de ausência por conta da greve. Segundo os Correios, nos próximos dias deverão ser divulgadas mais informações a respeito do novo acordo e proposta da greve.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo