Procedimentos estéticos estão cada vez mais comuns, principalmente entre as mulheres. A preocupação com o exterior e com a autoestima faz com que as pessoas passem a aderir a tratamentos que nem sempre são a melhor escolha para a saúde.

Foi o caso de Márcia Gomes Alves Fernandes, de 48 anos, que morreu por causa de uma escova progressiva, na cidade de Pindamonhangaba, estado de São Paulo. O caso aconteceu quando Márcia decidiu realizar o procedimento a fim de ficar mais bonita, sem saber dos riscos que corria.

Momentos depois do procedimento capilar, a Mulher passou mal, foi levada para o hospital da região e chegou a ficar internada, mas veio a óbito no dia seguinte.

A causa do falecimento, segundo os médicos que fizeram o atendimento de Márcia, foi insuficiência respiratória provocada pelo formol contido na fórmula usada no procedimento.

Segundo informações, Márcia sofria de bronquite e asma, doenças respiratórias que tiveram os sintomas agravados por causa do formol. Familiares da mulher não souberam dizer se Márcia havia feito a escova em casa ou no salão, mas esperam que o caso sirva de alerta para outras mulheres que pretendam fazer o mesmo procedimento.

A polícia investiga o caso para descobrir informações relevantes sobre a morte de Márcia. De acordo com a dermatologista Sabrina Frossard, que deu entrevista ao porta de notícias R7, o formol é uma substância que contém toxinas e que pode causar câncer a longo ou curto prazo.

Além disso, tem efeito negativos nos cabelos ou em qualquer outra área onde for aplicado.

Ainda segundo a dermatologista, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) deixa livre a concentração de formol de no máximo 0,2%, quantidade que não é suficiente para alcançar o objetivo esperado pelas mulheres, fazendo com que estas recebam no couro cabeludo concentração elevada de uma substância que pode ser mortal.

Além disso, a substância é danosa tanto para o usuário quanto para quem o aplica. Sabrina disse ainda que na quantidade determinada pela agência de vigilância a quantidade o formol não chega a ser considerado alisante para cabelos.

Devido ao perigo do produto, existem vários salões de beleza no Brasil que pararam de usar formol em seus procedimentos capilares a fim de evitar problemas de saúde em seus clientes, além de problema com relação ao próprios funcionários.

A inalação do formol também é prejudicial e pode provocar dor de garganta, tosse, tontura, irritação no nariz e perturbações na respiração, levando ao desenvolvimento de edema pulmonar e de pneumonia.

Siga a página Mulher
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!