Kathelly Katrinni tinha 1 ano e 11 meses quando comeu um bolo envenenado na última quarta-feira, 25 de abril, feito pela própria mãe. Esse caso aconteceu em Sena Madureira, interior do estado do Acre. Parece que a mãe, que tem 18 anos de idade, fez o bolo para entregar ao pai da garotinha, ele está preso e ficou muito mal quando soube do ocorrido. De acordo com o portal de notícias da Globo, G1, a mãe da bebê havia deixado o alimento em cima de uma mesa e a filha pegou.

Publicidade
Publicidade

Além disso, dois adolescentes também comeram o bolo e passaram mal, eles foram encaminhados para um hospital e estão sendo avaliados.

O corpo da bebê foi levado IML (Instituto Médico Legal) da cidade de Rio Branco teve que passar por exames cadavéricos e um parente da criança disse que o pai de Kethelly ficou transtornado dentro do presídio quando soube da morte da filha. Ao que tudo indica, o rapaz surtou dentro do presídio e até quis tirar a sua própria vida.

Publicidade

Os outros adolescentes que também comeram do bolo são primos da criança e eles também sentiram bastante a perda dela. A mãe ainda não acredita no que aconteceu com a sua filha e está muito mal. A menina morreu devido a uma intoxicação alimentar e pneumonia química. A bebê, antes de morrer, estava muito sonolenta e com dores abdominais.

Análise do caso

O Instituto Médico Legal (IML) de Rio Branco falou que foi coletado sangue, conteúdo gástrico, material do olho e a urina da criança para ser analisados.

O corpo da menina foi liberado aos familiares sem uma definição concluída da causa da morte dela. A mãe, por sua vez, contou que não viu quando a menina pegou o alimento e os dois adolescentes também tiveram seus sangues coletados para uma análise.

Justiça libera transfusão de sangue em bebê filho de testemunhas de Jeová

A religião e a ciência sempre brigam entre si e sempre as opiniões divergem em vários assuntos. Um caso bastante curioso aconteceu na capiital paulista, onde uma família não autorizou uma transfusão de sangue para um bebê que precisava muito.

Os pais não queriam esse procedimento porque são Testemunhas de Jeová e, nessa denominação, não se pode fazer transfusão de sangue porque é pecado. Mas a Justiça de São Paulo autorizou nesta quarta-feira (25) que um recém-nascido recebesse transfusão de sangue contra a vontade dos pais. O bebê está internado há onze dias. A mãe da criança, mesmo sabendo de todos os riscos do seu filho, não aceitou a transfusão e por isso o estado teve que intervir.

Publicidade

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo