“Aqueles que me zoaram vão pagar”, disse um adolescente em conversa através do aplicativo de mensagens instantâneas, o WhatsApp. O adolescente de 17 anos, que mora no Distrito Federal, na cidade de Gama, foi apreendido por policiais civis na manhã dessa quinta-feira (12). O jovem prometeu, através de conversa com um amigo, ‘eliminar’ todas as pessoas que fizeram chacota sobre ele na Escola pública onde estuda. Mas a conversa acabou vazando e de manhã, logo cedo, policiais armaram um grande cerco na instituição e conseguiram apreender o adolescente.

Aos policiais, o adolescente contou que tudo não passou de uma simples brincadeira. O jovem contou que estava tentando pregar um susto em seus amigos de escola e supostamente procurou um aplicativo que simulasse conversas em rede social. Nesse aplicativo, segundo o depoimento do adolescente, ele simulou que iria matar todas as pessoas que zombaram dele e até pediu para um amigo, que supostamente o jovem confiava muito, para que não comparecesse no colégio na manhã dessa quinta-feira, pois o jovem faria uma chacina.

'Não vai para a escola amanhã'

De acordo com informações da Polícia Militar do Distrito Federal, o jovem, que estuda no 2º ano do Ensino Médio, foi apreendido por ter enviado mensagens com promessas de que faria uma chacina na escola onde estuda, com uma provável ajuda de um amigo. A PM explicou que a denúncia partiu de pais e alunos da escola, que estavam de posse das mensagens feitas pelo adolescente em rede social.

“Estávamos atrás desse aluno para evitar esse possível ataque”, disse a Polícia Militar, que ainda explicou ter chegado muito cedo à escola, na madrugada, para armar o cerco e evitar uma possível chacina.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Escola

Os policiais revistaram todos os alunos da escola e conseguiram identificar o jovem suposto autor das mensagens. Depois que a PM apreendeu o adolescente, os policiais partiram para procurar em todo o prédio da instituição escolar indícios de armas, para tentar descobrir se havia alguma arma escondida nos arredores – não foi encontrado nada.

'Consegui uma arma segunda-feira e me preparei para isso'

O jovem foi enviado para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) do Gama, onde recebeu a visita de sua mãe.

Ela também prestou depoimento aos policiais e disse que está muito surpresa com o acontecimento. Além disso, a escola onde esse adolescente estuda também prometeu analisar o caso e provavelmente pedirá a transferência do jovem para outra instituição de ensino, dado o pânico causado nas famílias dos outros estudantes.

A mãe também contou que está indignada com o que o seu filho fez e prometeu que isso resultará em grandes consequências para ele.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo