Com a redução dos pontos de paralisação [VIDEO] pelas rodovias do país, o abastecimento de combustíveis volta aos poucos a chegar às cidades. Ainda assim, o diretor da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Aurélio Amaral, acredita que levará mais uma semana para que o país retome seu abastecimento normal. As informações são da agência de notícias Reuters.

Apesar de líderes da categoria terem entrado em acordo com o governo - que anunciou uma série de medidas demandadas pelos caminhoneiros no último domingo, dia 27 - a greve dos caminhoneiros ainda continua [VIDEO] em pelo menos 20 estados e no DF nesta terça-feira, dia 29, marcando o 9º dia de paralisação das rodovias nacionais.

De acordo com Amaral, cidades como Rio de Janeiro e Brasília já começam a ter seu abastecimento de combustível e mercadorias normalizadas. Apesar de ter destacado que levará ao menos uma semana para que a situação se normalize, Amaral destacou que algumas regiões do país ainda podem precisar de mais tempo. "Dependendo da logística de cada lugar, volta ao normal em cerca de uma semana”, disse o diretor da ANP. “Mas em alguns lugares até mais de uma semana", complementou.

Segundo Amaral, o abastecimento em Minas Gerais e São Paulo deve começar a melhorar a partir desta terça-feira. O diretor da ANP destacou o Porto de Suape, no Pernambuco, como um dos focos da crise. O local é apontado como uma das principais fontes da Região Nordeste do Brasil. Apesar da crise, Amaral destacou as situações no Rio e em Brasília como indicadores de que a crise está sendo contornada.

“A situação está melhorando. No RJ já há postos com algum combustível”, disse o diretor da ANP. “Em Brasília já não há mais bloqueio nas bases de distribuição, com caminhões saindo em comboios e postos já abastecendo“, completou.

Também no Rio de Janeiro, os militares responsáveis pela intervenção federal na segurança pública do estado estão controlando a entrada e saída de caminhões da Refinaria Duque de Caxias (Reduc). De acordo com as informações da agência de notícias, os militares também estão escoltando carregamentos de alimentos e outros produtos para abastecer o estado.

Postos de São Paulo recebem gasolina e causam filas; confira a situação pelo país

Maior cidade do país, São Paulo recebeu abastecimento de combustível nesta terça-feira. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, cerca de 40 postos da região central da cidade receberam gasolina, gerando filas para abastecimento.

Na Bahia, 95% dos postos ainda estão sem combustível. No Distrito Federal, ao menos 90% dos postos ainda estão desabastecidos, apesar de alguns carregamentos de combustível terem chegado à Brasília entre esta segunda e terça-feira.

No Paraná, a Sindicombustíveis-PR conseguiu uma liminar na Justiça Estadual para liberar as rodovias e abastecer parte do estado. No entanto, a maior parte dos postos ainda permanece sem combustível, aguardando a chegada de possíveis carregamentos.

Em Minas, o deabastecimento também atinge 90% dos postos, apesar de cerca de 30 postos da grande Belo Horizonte terem recebido combustível entre esta segunda e terça-feira. A situação também continua crítica no Mato Grosso e no interior e na baixada paulista, entre outras regiões do país.

A falta de abastecimento de querosene para aviação também continua afetando parte dos aeroportos do país. Segundo a Infraero, 10 aeroportos ainda estão sofrendo com a falta de combustível. Outros aeroportos tiveram carregamentos de querosene escoltados por militares e policiais para garantir o funcionamento e a normalização dos voos.