Foi divulgado na tarde desta quarta-feira (15) pela Polícia Civil de Campina Grande, a conclusão as investigações sobre uma adolescente de 17 anos que foi estuprada após sair de um ônibus, no bairro de Bodocongó, na noite da última segunda-feira (13).

A delegada Alba Tânia Casemiro, da Delegacia de Repressão a Crimes Contra Crianças e Adolescentes, disse ter concluído que o crime não aconteceu e explicou que a jovem confessou ter inventando a história, e ainda, que ela teria problemas psicológicos.

Publicidade
Publicidade

A jovem informou à polícia, na segunda-feira, que estava em um dos ônibus e foi obrigada a descer do coletivo por dois homens, suspeitos do crime. Porém, durante entrevista coletiva dada na Central de Polícia Civil de Campina Grande, a delegada exibiu imagens das câmeras de segurança do veículo em que a estudante estava, onde é possível notar que ela entra e sai sozinha do transporte.

A Polícia Civil trata o caso como denunciação caluniosa, e a adolescente deve passar por acompanhamento psicológico.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Mulher

Entenda o caso

A vítima contou à polícia que, por volta das 19h da segunda-feira, ela seguia em um coletivo e foi surpreendida por um desconhecido que estava ao seu lado, armado com uma faca. Ela informou ainda, que foi forçada a descer com ele e outro comparsa que também estava no ônibus, em uma parada em frente ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). A dupla levou a jovem até um matagal, por trás de uma casa de shows próximo a um residencial no bairro de Bodocongó, e a forçou a ter relações sexuais.

Publicidade

Patrícia Lelis

Um caso semelhante e de proporção nacional aconteceu em 2016, quando a jornalista Patrícia Lelis afirmou ter sofrido assédio sexual pelo deputado federal Pastor Marco Feliciano (PSC-SP).

O caso teve início quando Patrícia registrou boletim de ocorrência contra Talma Bauer, assessor do deputado, acusando-o de mantê-la em cárcere privado e ameaça-la com uma arma para gravar vídeos que inocentassem Feliciano dos crimes que ele havia cometido contra ela.

Logo mais, a jornalista registrou um novo boletim de ocorrência, por abuso sexual contra Marco Feliciano. O assédio, segundo ela, teria acontecido no dia 15 de junho daquele ano, no apartamento funcional do deputado na capital federal.

Após a conclusão do inquérito, a Polícia Civil de São Paulo informou que um laudo de uma psicóloga revelou que Patrícia é “mitomaníaca”, ou seja, possui transtorno de personalidade o que a faz mentir compulsivamente.

Publicidade

A jornalista então, foi indiciada por denunciação caluniosa e extorsão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo