Após o traumático incêndio ocorrido no Museu Nacional, no Rio de Janeiro, equipes do Corpo de Bombeiros encontraram um crânio entre os destroços do Museu, na manhã desta terça-feira (04).

Acredita-se que esse crânio possa ser de Luzia, considerada pelos pesquisadores como a “primeira brasileira”. Esse crânio é um fóssil de aproximadamente 12 a 13 mil anos, encontrado em 1974 em Lagoa Santa, no estado de Minas Gerais.

Segundo o portal de notícias G1, um dos membros da equipe do Corpo de Bombeiros acabou se ferindo nas mãos, após tentar abrir um armário de ferro, aonde o crânio de Luzia era mantido pelo Museu. Especialistas irão examinar o crânio para constar se de fato pertence a Luzia

Possíveis causas do incêndio

A Polícia Federal foi acionada para investigar as possíveis causas do incêndio. Segundo o Ministro da Cultura, Sergio Sá, uma das muitas possíveis causas possa ser a queda de um balão ou um curto-circuito.

Já se sabe que os detectores de fumaça do Museu Nacional não funcionaram no início do incêndio, o que acabou por dificultar o combate às chamas. Além disso, os hidrantes próximos ao museu não estavam abastecidos com água, o que atrasou o início dos trabalhos do corpo de bombeiro.

Pouco investimento

O valor histórico do Museu Nacional do Estado do Rio de Janeiro, é inegável. Nele eram mantidos um acervo de mais de 20 milhões de itens, como o crânio de Luzia, o fóssil humano mais antigo da América.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Educação

Mobílias e vestuários da família real. Meteoritos achados em diversos estados brasileiros. O primeiro dinossauro montado no Brasil. Pinturas e documentos históricos, nunca vistos pelo público em geral.

No entanto, para manter um acervo como este, com valor financeiro incalculável, eram gastos apenas, R$ 205.821,00, previsão para 2018. Valor este que é menor do que a lavagem dos 83 carros oficiais da Câmara dos Deputados, ou menor do que os R$ 500.000,00 gastos por mês pelo Palácio da Alvorada, em Brasília, com manutenção e pessoal.

Pouco caso com a cultura

Infelizmente, nosso país, não é dado muito a valorizar a sua arte ou a sua história. Casos como o do incêndio do Museu Nacional do Rio de Janeiro, evidenciam o pouco investimento que os governantes destinam para a cultura no Brasil. Nossos museus e bibliotecas estão cada vez mais sucateados. A população não é incentivada adequadamente a frequentar estes espaços, o que acaba por fazê-los serem esquecidos e consequentemente serem extintos.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo