A juíza Vânia Regina Gonçalves da Cunha, da Vara de Execuções Criminais de Taubaté, negou o pedido de liberdade solicitado pela defesa de Suzane Von Richthofen.

Presa há mais de 15 anos pela morte dos pais, Suzane foi submetida a diversos exames psicológicos nas últimas semanas para avaliar sua personalidade. Um dos testes a que foi submetida é o chamado "Teste de Roscharch", amplamente aplicado em vários países.

Após as análises dos testes foi concluído o seguinte: "A presidiária é egocêntrica, narcisista e influenciável para condutas tipicamente violentas."

Isso, na prática, quer dizer que ela deve ficar mais tempo na cadeia, apesar de ter cumprido 1/3 da pena.

Com posse deste laudo, a Promotoria recomendou à Justiça que Suzane seja mantida atrás das grades.

O que disse a defesa

A defesa de Suzane Von Richthofen disse que os argumentos tipificados no laudo solicitado pela Promotoria com relação a sua cliente podem ser encontrados em qualquer pessoa, seja ela presa ou não.

E mais, disse que não são indicadores de que Suzane volte a cometer atos deliquentes.

Além disso, a defesa manifestou que, sob este parecer, produziu um laudo paralelo que será posteriormente apresentado à Justiça.

Já a Promotoria e a Defensoria Pública não se manisfetaram, já que o processo corre em segredo de Justiça.

O crime

Suzane era filha de Manfred e Marisia Von Richthofen.

Esta última uma psiquiatra.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Já Manfred era engenheiro muito rico e conhecido como expert em operações financeiras.

Ambos foram aassassinados cruelmente, enquanto dormiam, em sua mansão no Campo Belo, zona sul de São Paulo à golpes de barra de ferro, no dia 31 de outubro de 2002, defenestrados pelo namorado e pelo cunhado de Suzane, os irmãos Cravinhos. A cena do quarto foi remodelada para simular uma invasão à residência.

O casal foi sepultado no dia seguinte (1° de novembro) no cemitério Redentor, localizado na zona oeste da capital.

Suzane e seus cúmplices simularam todo o papel, inclusive choraram durante o sepultamento.

Dois dias depois Suzane fazia aniversário. O que para os investigadores, na época, colocava mais luz às suspeitas da premeditação do trio.

Condenada a 39 anos, desde então Suzane cumpre pena em Tremembé, a 129 km de São Paulo, tendo conquistado o direito ao regime semiaberto, que lhe permite até 5 saídas da penitenciária a cada ano, e o polêmico direito de curtir o Dia das Mães.

Atualmente, Suzane desenvolve o trabalho de costura em uma das alas da penitenciária.

Recentemente, conforme publicamos aqui, Suzane Von Richtofen terá sua vida retratada em filme. O longa "A menina que matou os pais", inclusive, já estaria sendo gravado.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo