No município de Pardinho, interior de São Paulo, um idoso de 62 anos foi preso preventivamente nesta última quinta-feira (18) acusado de estuprar a própria neta de 1 ano de idade.

A criança chegou a ser encaminhada para o pronto-socorro, mas sofreu uma hemorragia interna e não resistiu. Os médicos que atenderam a garota estranharam o caso e decidiram registrar um boletim de ocorrência.

O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), onde foi submetido a uma autópsia que comprovou o abuso [VIDEO]. A Polícia Civil informou que o crime aconteceu em maio deste ano.

Assim que o crime foi constatado, a polícia deu início às investigações e o avô da criança se tornou o principal suspeito. No entanto, só agora foi expedido o mandado de prisão preventiva e o homem foi encaminhado para a prisão da cidade de Itatinga.

A Polícia Civil [VIDEO] informou que o homem morava com a vítima, sua mãe e outros filhos dela. A mulher e as demais crianças já foram todas levadas para um abrigo. Existe a suspeita de que elas também foram violentadas, por isso a investigação deverá solicitar que todas passem por um exame médico.

Pesquisa revela mudanças no perfil de estupro em São Paulo

O Instituto Sou da Paz realizou uma pesquisa, juntamente com o jornal Estado de S. Paulo, que mostra que a capital do estado de São Paulo é a primeira colocada no ranking em se tratando de roubos e crimes violentos. Esta estatística serve para medir o risco de acordo com as cidades.

O relatório mostra que as áreas onde há um risco maior de estupro são Ibiúna e Itanhaém. Na capital, o risco maior é nas regiões da Consolação e Pari, que ficam no centro da cidade. Cerca de 86% das vítimas em Ibiúna têm idade de 15 anos no máximo e em Itanhaém o índice chegou a 60%. Na maioria das vezes, os estupros eram cometidos por pessoas próximas à família, como amigos e também vizinhos.