Na última segunda-feira (29), aconteceu a comemoração do dia de Halloween numa escola particular da cidade de Natal-RN. Normalmente, nesse dia, todos os participantes se caracterizam vestido das mais variadas fantasias.

Porém algo que mais chamou a atenção, foi uma mãe ter caracterizado seu filho como se ele fosse um “escravo”. A fantasia inusitada não passou despercebida e causou grande repercussão na internet.

Assim que a mãe do menino fez a publicação das imagens nas redes sociais, uma grande polêmica foi gerada.

O motivo é que o conteúdo acabou sendo interpretado como racismo.

Pelas fotos é possível ver uma criança, de cútis branca, com o corpo todo maquiado, simulando uma tonalidade de pele negra. Isso sem falar na simulação de muitos sinais de cesuras e lesões pelo corpo afora. Também dá para ver o guri utilizando algumas vestes brancas, e mais aterrorizante são as imitações de algemas e grilhões, que no passado fizeram parte dos objetos utilizados para torturar e também aprisionar os escravos.

A mãe postou no seu perfil do Instagram juntamente com a foto, a seguinte mensagem: ‘Quando seu filho absorve o personagem!

Vamos abrasileirar esse negócio! #Escravo’.

Depois da publicação das imagens, houve grande interação entre os internautas, muitos seguidores fizeram comentários admirando o tamanho da criatividade da mulher. No entanto, também apareceram críticas a respeito da foto, repudiando a atitude da mãe que acabou soando como racista. Muitos acabaram solicitando para que a conta fosse denunciada.

O musico Marcelo D2 fez a republicação das fotos nas redes sociais e entrou em debate online. O cantor postou ‘Quando você pensa que já viu de tudo na vida’.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

De acordo com as informações da reportagem do jornal ‘O Estado de S. Paulo’, depois que a publicação do músico obteve mais de 2.000 compartilhamentos, a mulher fez também seu manifesto na rede e escreveu:

A mulher disse que as pessoas não deveriam ler livros históricos do Brasil. Pois, segundo ela, os livros históricos afirmam a exploração de mão de obra escrava de negros no País, mas isso é mentira. A mãe ainda ressalta que não se deve discutir com essa afirmativa, pois a pessoa estará sendo racista.

Ela ainda frisou que nesse caso, esses indivíduos seriam as piores pessoas, um verdadeiro lixo. Porém, ainda escreveu que não sabia se estava incomodando a fantasia ou se a implicância seria o 17 na imagem. A mãe ficou revoltada com a repercussão negativa da fantasia. A mulher fez menção ao número da chapa do novo presidente eleito Jair Bolsonaro estava destacada em sua imagem de perfil nas redes sociais. Assim sendo, ela acabou encerrando suas contas do Instagram e no Twitter, após grande repercussão.

A escola onde a comemoração aconteceu, se manifestou através de uma nota publicada nas Internet comunicando que repudia qualquer tipo de manifestação racista ou preconceituosa.

.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo