Anielle Franco, irmã de Marielle Franco, denunciou nesta segunda-feira (08), que foi agredida verbalmente por alguns sujeitos usando camisetas de Jair Bolsonaro, candidato à presidência da república [VIDEO]. Ela usou as redes sociais para fazer um desabafo e contou que estava com a filha de apenas 2 anos no colo, andando pela rua, quando um grupo de homens a reconheceu.

Após o assassinato da vereadora Marielle Franco, Anielle acabou se tornando a porta-voz da família e ganhou notoriedade na mídia e também nas redes sociais.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Jair Bolsonaro

Anielle garantiu que no momento em que sofreu as agressões, não estava usando nenhum broche ou bandeira política [VIDEO].

"Hoje eu tive medo. Foi assustador, ainda mais com minha filha no colo", disse ela, contando que gritaram bem na sua cara e também na da filha, que ficou muito assustada.

Ela também pediu para que ninguém propague mais ódio e nem violência, pois é preciso repensar a forma como se faz política.

Caso Marielle ainda não teve solução

Já se passaram cerca de 7 meses do assassinato da vereadora e até agora as autoridades não conseguiram dar uma resposta à população. A Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro informou que o miliciano Orlando de Curicica é apontado até agora com o principal suspeito do crime, ele chegou a dizer que foi o 'escritório do crime' que matou Marielle e também o motorista Anderson Gomes.

Esse 'escritório do crime' seria formado por um grupo de matadores de aluguel e entre eles poderia ter até mesmo policiais militares que ainda estão na ativa, além daqueles PMs que estão afastados do trabalho. Marielle atuava na Comissão Representativa da Câmara de Vereadores, ela era relatora e estava empenhada em desvendar alguns crimes que vinham acontecendo.

Amigas de Marielle são eleitas no Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, quatro mulheres amigas de Marielle Franco foram eleitas, sendo que uma delas, Talíria Petrone, foi a 9ª federal mais votada em todo o estado. As outras são: Mônica Francisco, Renata Souza e Dani Monteiro, que conseguiram uma vaga na Assembleia Legislativa.

A morte de Marielle ainda é uma ferida aberta não só para o Rio de Janeiro, como para todo o Brasil e as Eleições deixam isso claro, com as quatro amigas da vereadora assassinada sendo eleitas. Isso mostra que a população quer respostas, quer pessoas no poder que lutem por seus direitos e ajudem a esclarecer as dúvidas que ainda pairam sobre o caso.

As quatro foram eleitas pelo PSOL, que é o mesmo partido de Marielle.