O aplicativo de mensagens WhatsApp livrou uma mulher de ser vítima de mais agressões do marido durante uma briga, na madrugada desta segunda-feira (22), na cidade de Limeira, no interior de São Paulo. Após se refugiar no banheiro da casa em que mora, ela mandou mensagens de socorro a um grupo da cidade e conseguiu ajuda para se livrar do agressor, que foi preso pela Guarda Municipal.

Segundo relato da vítima, o marido chegou em casa por volta das 3h, momento em que ela amamentava na cama sua filha de dois anos.

O suspeito havia consumido bebida alcoólica e também estava sob o efeito de entorpecentes. Teve inicio uma discussão e, segundo a vítima, o homem puxou o “colchão-box” e ela caiu de costas no chão, junto com sua filha, que estava em seu colo. Ela ainda foi agredida com um chute, que também acertou a criança, que de acordo com informações passadas pela GM, passa bem.

Se protegeu no banheiro e pediu ajuda

Para se proteger de novas agressões, ela correu para o banheiro e se trancou. Por sorte levou junto seu aparelho celular, por onde pediu ajuda pelo aplicativo de WhatsApp.

“Socorro. Meu marido está me agredindo. Por favor, me ajuda. Estou no banheiro escondida”, dizia o texto enviado a um grupo da cidade. Por sorte, um guarda municipal fazia parte do grupo e o pedido de ajuda lhe chamou a atenção. Ele então acionou a GCM e uma equipe se deslocou até o endereço que mulher também havia passado.

O agressor chegou a quebrar a porta do banheiro e apagar a mensagem que a mulher havia enviado com o endereço, mas ele já havia sido anotado pelos guardas, que detiveram o acusado ainda na casa, onde havia vários móveis quebrados.

Ele foi encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher e preso em flagrante por agressão e ameaça. A mulher foi levada para um pronto-socorro, em Limeira, onde passou por exames.

A vítima relatou aos guardas que há sete anos vive com o agressor e que já havia sido agredida outras vezes.

Ferramenta ajuda vítimas de agressão a pedirem socorro

O WhatsApp tem se mostrado uma importante ferramenta para ajudar mulheres que sofrem com violência doméstica e o caso de Limeira não foi o primeiro onde o agressor foi detido após a vítima recorrer ao aplicativo para pedir ajuda.

Em um caso ocorrido em 2015, na cidade de Salto, a mensagem foi enviada à mãe da vítima, que acionou a Polícia, que conseguiu deter o acusado. A briga foi presenciada por dois filhos do casal.

Não perca a nossa página no Facebook!