Nesta segunda-feira (22), a Polícia Civil prendeu em Goiânia um borracheiro de 36 anos. Ele é acusado de abusar da enteada de apenas 11 anos, e ainda teria feito várias fotos íntimas dela. De acordo com as investigações, o suspeito estava há cerca de um ano abusando sexualmente da menina, e o crime só foi descoberto porque os tios da adolescente notaram que ela estava se comportando de forma diferente.

Os tios conversaram com a mãe da vítima, explicaram toda a situação e o caso foi levado às autoridades que logo tomaram todas as providências.

O borracheiro admitiu para os policiais que realmente vinha mantendo fotos íntimas da enteada em seu celular, porém, garantiu que nunca chegou a abusar da menina.

Paula Meotti, delegada responsável pelo caso, disse que, no início deste ano, a menina foi para Aragarças, ficar o período de férias na casa dos tios. Eles logo perceberam que toda vez que o padrasto ligava para a enteada, ela imediatamente mudava a expressão.

Outro detalhe que os tios observaram é que ela sempre ficava mais distante deles para conversar com o padrasto, como se não quisesse que eles ouvissem a conversa.

Com muito jeito eles abordaram a sobrinha e transmitiram confiança, disseram que ela poderia ter total confiança para contar o que quisesse e foi aí que ela começou a contar sobre os abusos sofridos.

A mãe já se separou do sujeito

Os parentes informaram à mãe da menina e registraram um boletim de ocorrência na delegacia da cidade, sendo que depois o caso foi transferido para a capital, e as investigações tiveram início. Antes mesmo que a filha voltasse de viagem, a mãe dela se separou do companheiro.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

A partir daí, a menina não teve mais nenhum tipo de contato com o padrasto.

A delegada ainda informou que a menina já foi submetida aos exames no IML (Instituto Médico Legal) e a conjunção carnal já foi confirmada.

O suspeito será indiciado por crime de estupro de vulnerável e também por armazenar em seu celular imagens de pornografia infantil. A pena máxima, caso seja condenado por ambos os crimes, é de 19 anos.

Veja mais

Menina de 9 anos que desapareceu em Porto Alegre é encontrada morta à margem de rodovia

Homem ateia fogo no próprio corpo e chamas atingem o filho de seis anos, em Bauru

Homem de 28 anos agride menina de 12, que era sua companheira, e acaba sendo preso

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo